Nem todos os trabalhadores têm direito ao auxílio acidente.

Auxílio - acidente é um benefício pago ao trabalhador que sofre um acidente e fica com seqüelas que reduzem sua capacidade de trabalho.

De acordo com o art. 86 da Lei 8.213/91 este benefício será concedido, como indenização, ao segurado quando, após consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultar seqüelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia.


Comprovado a redução da capacidade e tendo o segurado retornado ao trabalho, o referido auxílio será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido pelo acidentado, vedada sua acumulação com qualquer aposentadoria.


Consoante o disposto no art. 104 do RPS, bem como no art. 311 da IN INSS 45/2010, têm direito ao benefício o trabalhador:


O empregado; O trabalhador avulso; O segurado especial. 


Não recebem esse benefício:


O empregado doméstico; O contribuinte individual; O facultativo. 


Não dará ensejo ao benefício o caso:


I - que apresente danos funcionais ou redução da capacidade funcional sem repercussão na capacidade laborativa; e 


II - de mudança de função, mediante readaptação profissional promovida pela empresa, como medida preventiva, em decorrência de inadequação do local de trabalho.


A perda da audição, em qualquer grau, somente proporcionará a concessão do auxílio - acidente quando, além do reconhecimento do nexo entre o trabalho e o agravo, resultar, comprovadamente, na redução ou perda da capacidade para o trabalho que o segurado habitualmente exercia.


A renda mensal do benefício será calculada aplicando-se sobre o salário de benefício o percentual equivalente a 50% (cinqüenta por cento) do salário de benefício.


O salário de benefício do auxílio - acidente consiste na média aritmética simples dos maiores salários de contribuição correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo.


Não há necessidade de requerer o auxílio-acidente. Quando do encerramento do auxílio - doença acidentária, a perícia médica do INSS reconhecerá o direito ao beneficio indenizatório se ficar caracterizada seqüela irreversível.


Para concessão do auxílio-acidente não é exigido tempo mínimo de contribuição, mas o trabalhador deve ter qualidade de segurado e comprovar a impossibilidade de continuar desempenhando suas atividades, por meio de exame da perícia médica da Previdência Social.


Por ter caráter de indenização, tal benefício pode ser acumulado com outros benefícios pagos pela Previdência Social exceto aposentadoria ou auxílio doença concedido em razão da mesma patologia que deu origem à seqüela. 

Assim, essa modalidade de benefício, concedida para segurados que recebiam auxílio - doença acidentária deixa de ser paga se o trabalhador se aposentar ou vier a falecer.





Ministério da Previdência Social.


 http://www.comprafacil.com.br/afiliadoscf/?a_aid=msv


Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS