Campanha alerta sobre os acidentes de trabalho no Brasil.

No Brasil, cerca de sete trabalhadores morrem diariamente vítimas de acidentes de trabalho. São pais e mães de família que têm a vida interrompida. É sob esse aspecto que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) lançaram o Programa Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho. A campanha chegou as emissoras de rádio e televisão. 

O vídeo apresenta a mensagem "E o local onde eles mais fazem falta, não é no trabalho". A campanha apresenta números impressionantes: em 2009, o INSS registrou 723.452 acidentes laborais. Esses acidentes resultaram em 2.496 mortes. 

A boa notícia é que esse número vem caindo, embora numa proporção insatisfatória: comparado com 2008, a queda foi de 4,3%. Ainda segundo os dados do serviço de seguridade, do total de acidentados, 77,1% são homens, e 22,9% são mulheres. 

Pessoas jovens são as mais suscetíveis. Os registros mostram que o maior número de acidentados está na faixa etária dos 20 aos 29 anos. Quanto às doenças de trabalho, o maior percentual está entre trabalhadores de 30 a 39 anos. 

A iniciativa visa à formulação e execução de programas e ações nacionais voltados à prevenção de acidentes de trabalho e ao fortalecimento da Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho. 

O principal objetivo do programa é reverter o cenário de crescimento do número de acidentes de trabalho presenciado no Brasil nos últimos anos. Para saber mais sobre o programa, visite a página www.tst.jus.br.
Comparativo com o número de acidentes do trabalho registrados no Brasil de 2005 a 2009: 

2009 = 723.452
2008 = 755.980
2007 = 659.523
2006 = 512.232
2005 = 499.680




Comentários

  1. Boa tarde! Trabalho com auxiliar administrativa no setor Segurança de Trabalhado de grande empresa e entre minhas atividades está de conscientização e comunicação, ou seja faço Monitoramento do DDS. Bem, numa reunião da CIPA foi levantado a necessidade de elaborar procedimento ou recomendação de Segurança para os colaboradores se comportarem diante da ocorrência de um acidente ou quase-acidente, tendo em vista os equívocos que se sucederam após um quase-acidente de alta gravidade. A pressão e julgamento dos colegas e supervisores causaram uma grande decepção na "quase-vítima" que já se encontrava abalado com o evento. Meu desafio é este: elaborar o tal procedimento de atitude para estes casos e preciso da ajuda de um engenheiro/ Técnico/psicólogo do trabalho. O engº e Técs.Segurança que trabalham comigo encontram-se atarefados ultimamente e queria concluir nesta gestão da CIPA. Se puder me indicar que poderia ajudar ou se já existe algo semelhante pronto, fico muito agradecida. Deverá ser um texto breve e objetivo.Lélia - RS Contato: Lmcardoso2009@hotmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

As informações disponibilizadas nesse Blog são de caráter genérico e sua utilização é de responsabilidade exclusiva de cada leitor.

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS