Limite de Tolerância - LT tem precisão?


Tenho tentado tirar da cabeça dos meus alunos a crença de que o limite de tolerância é um valor de vida ou morte, ou seja, acima, temos o céu e abaixo o inferno.
Para ajudar nesta tarefa vamos listar os diversos fatores envolvidos, para que utilizemos os valores, com cuidado, senão vejamos:
Primeiro temos a nossa idosa e cansada NR 15, com vários valores desatualizados quando comparados com a sua mãe ACGIH (que se mantém enxuta, em função de contínuas plásticas).
Como exemplos de desatualização dos LTs da NR-15, com relação aos valores de TLV's da ACGIH®, a higienista Irene Saad aponta agentes como o tolueno, o monômero do plástico PVC, o cloreto de vinila, e o 1,3- butadieno.
 Estas substâncias apresentam no Brasil valores considerados como limite de exposição ocupacional da ordem de 4 vezes maior do que o recomendado para o tolueno, de 156 vezes superior no caso do cloreto de vinila e de cerca de 390 vezes maior para o 1,3- butadieno, este último agente cancerígeno.
Segundo, os limites de tolerância sempre consideram a ação isolada de cada agente de riscos não levando em consideração as combinações dos vários agentes presentes no ambiente de trabalho.
Terceiro há a diferença natural entre as pessoas, devido a problemas genéticos, saúde abalada ou mesmo alergia ao agente. Ou seja, os limites são valores para a maioria, mas temos algumas pessoas que mesmo com valores baixos podem apresentar problemas.
Por último, como você acha que são obtidos os limites de tolerância?
Você acha que os estudiosos pegam vários trabalhadores, colocam em uma sala, os expõem aos agentes químicos ou físicos e depois analisam os que não adoeceram?
É lógico que este estudo é obtido de forma indireta e sempre com a interferência de diversos fatores. Se houvesse tão grande precisão os valores da ACGIH, por exemplo, não teriam mudanças periódicas e muitas das vezes bem radicais.
Além disso, em função de restrições técnicas ou financeiras, os estudos são restritos a apenas uma parcela dos efeitos do agente no organismo.
O Segurito,
"Seja você também mais um seguidor desse blog, compartilhe com seus amigos, é uma questão de cidadania"

Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS