Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

30 de janeiro de 2015

A Vida - Autoajuda DDS.

Nunca diga que algo é impossível. As coisas são no máximo improváveis, mas nunca são impossíveis.
 
Nunca desista antes de tentar, e se você for se arrepender de algo, não se arrependa do que você fez, e sim do que você deixou de fazer, porque tentar e errar são ao menos aprender, enquanto nem mesmo tentar, é desperdício.
 
Não desperdice nenhuma chance da sua vida, afinal, a sorte não bate todo dia à sua porta.
 
Tenha discernimento para saber o que é certo e o que é errado, tenha sua própria cabeça, não se deixe influenciar, mas saiba ouvir sempre a opinião dos outros e saiba admitir seus erros.
 
Você está aqui em busca da felicidade, da sua e da dos outros. Procure-a, ela está dentro de você! E você com certeza a merece!
 
Corra atrás de seus sonhos, por que sem eles não chegamos a lugar nenhum. Não se conforme. Vá atrás do que você quer. LUTE!!!!
 
A vida é bela e as esperanças nunca devem acabar, assim como também não deve acabar o amor que existe dentro de nós.
 
Saiba sobreviver às tristezas, saiba se erguer após cada queda, e saiba amar sem medo, pois o medo não nos traz nada... Apenas leva...
 
Saiba se entregar por inteiro, abaixar todos os escudos e dizer: EU ME RENDO!
 
Ame de corpo e alma mesmo que depois esse amor acabe. Aproveite cada momento, cada segundo do seu viver, pois, é como dizem, no fim, o que conta, não é os anos de sua vida, e sim, a vida em seus anos. Então, faça sempre que seus anos sejam cheios de vida.
 
Não deixe morrer esse anjo que há dentro de você, esse anjo chamado AMOR, esse anjo que dá toda a luz necessária para a nossa vida... Deixe-o livre para reinar em seu coração, pois só assim seu espírito continuará livre do mal, e, se você tiver a sua alma protegida por esse anjo nada de ruim vai lhe tocar, pois você estará sempre ao lado de Deus.
 
Não tenha ódio por ninguém, pois, se você tiver ódio, seu escudo cai, e ai sim poderá lhe atingir... Somos todos iguais, Filhos de Deus, e merecemos respeito, carinho, amor e felicidade.
 
Toda vez que você passar por algum momento difícil erga sua cabeça, olhe para o céu e diga:
 
O Senhor está comigo e vai me ajudar! Por que essa é a realidade, ELE sempre estará nos ajudando... Só que às vezes ficamos surdos a sua ajuda e não percebemos o quanto ELE nos ama... Chegamos até ao ponto de pensar que ele nos abandonou, quando, na verdade, muitas vezes, nós que o abandonamos.
 
Reze, e agradeça, pois ELE nos deu o maior presente de todos:
 
A VIDA! !!
 
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

29 de janeiro de 2015

Projeto permite redução do horário para refeição do trabalhador.


De acordo com o projeto, a redução do horário para refeições pode ser feita por meio de acordo entre o empregado e o patrão ou por convenção coletiva. O objetivo é permitir que o trabalhador saia mais cedo do trabalho.
 
Pela Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT, o intervalo em jornadas de oitos horas, deve ser de no mínimo uma hora, já em um expediente de seis horas a pausa obrigatória é de no mínimo 15 minutos. Ainda segundo a CLT, apenas o Ministério do Trabalho e Emprego pode autorizar a diminuição da pausa.
 
O autor do projeto, senador Blairo Maggi, do PR do Mato Grosso, disse que a medida, além de atender uma demanda antiga dos trabalhadores, vai reduzir os custos de manutenção das empresas.
 
“É uma demanda mais do trabalhador do que uma demanda do empregador”.
 
É Claro que para o empregador também terá benefícios porque você pode reduzir, em quinze ou trinta minutos, os custos de um escritório ou de uma planta que consome muita energia.
 
No entendimento do Tribunal Superior do Trabalho, o intervalo é uma "medida de higiene, saúde e segurança do trabalho" e não cabe a qualquer convenção coletiva alterar a regra. Para Blairo Maggi, a atual legislação prejudica a produtividade no país.
 
"Vale a pena lembrar que dentre vários pontos que são elencados todos os anos na questão da produtividade, da burocracia, de uma série de entraves para que o Brasil seja mais eficiente e mais produtivo esse é um dos assuntos que são colocados também".
 
A proposta está pronta para ser analisada pela Comissão de Assuntos Sociais. No entanto, a iniciativa não tem consenso entre os senadores. A relatora, Ângela Portela, do PT de Roraima, já apresentou parecer contrário ao projeto.
 
Agência Senado.
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

28 de janeiro de 2015

Sugestão de DDS para o período do Carnaval 2015.

"Companheiros prevencionistas, está chegando o carnaval que é um período de descontração no qual aumentam as vulnerabilidades e os riscos acidentes”.
 
Em nossa cultura as festividades, combinadas ou não com viagens, envolvem muitas vezes a ingestão, além da conta, de alimentos calóricos e bebidas alcoólicas.
 
É também um período em que ocorre uma maior concentração de pessoas em férias ou retornando ao trabalho reforçando, portanto, a necessidade de algumas recomendações e cuidados adicionais.
 
Assim sendo, este blog recomenda que seja incluído esse tema para compor o DDS nas empresas, com ênfase principalmente nas questões de alimentação saudável, consumo responsável de bebidas alcoólicas, direção segura (se beber, não dirija!) segurança pessoal e de terceiros.
 
Está iniciativa compõe um conjunto de ações para a divulgação do aprendizado com acidentes, incidentes e boas práticas de DDS nas empresas brasileiras durante o período de reinado de Momo.
 
O DDS é uma importante ferramenta de gestão voltada à prevenção de acidentes e incidentes, promoção da saúde e preservação do meio ambiente que ajuda a difundir essa cultura entre os responsáveis de grupos de trabalhadores.
 
Dessa forma, desenvolva este tema na sua empresa na semana que antecede o carnaval, e tenha um período de festas sem acidentes,  com muita saúde, segurança, respeito ao meio ambiente e, principalmente sem acidentes.
 
Se dirigir não beba, se beber não dirija.
 
Pense nisso! pratique isso!
 
 
Marcio Santiago Vaitsman
 
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

27 de janeiro de 2015

Santa Catarina consegue primeira liminar do Brasil contra aplicação da NR-12.

O Sindicato da Indústria da Madeira de Caçador obteve liminar, na Vara do Trabalho de Caçador assegurando a aplicação da Norma Regulamentadora 12 (NR-12) vigente até 24/12/2010 para máquinas e equipamentos adquiridos até aquela data.

A decisão emitida pelo juiz Etelvino Baron estabelece que equipamentos obtidos após 2010 devem seguir os preceitos da nova redação do regulamento. A liminar, primeira do país em relação à aplicação da norma, beneficia as indústrias associadas ao Sindicato. A ação foi impetrada com o apoio da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC).
 
A NR-12, editada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), regulamenta o uso de máquinas e equipamentos e passou por mudanças que agregaram 300 novas exigências às 40 que já estavam em vigor.
 
A decisão da Justiça do Trabalho de Caçador também determina que o MTE se abstenha de realizar fiscalizações coletivas ou de forma indireta. Com isso, fiscais não podem autuar empresas sem visitar as instalações.
 
Em sua argumentação, o juiz destacou que em algumas situações os investimentos para adequação à nova regra podem comprometer a viabilidade da própria empresa, atentando contra o princípio da razoabilidade, o que fecharia postos de trabalho, além de prejudicar a ordem econômica.
 
O magistrado também entende que "nenhum empregador sério deixará de ampliar os mecanismos de segurança quando viável, se não o for em respeito ao princípio da dignidade humana, certamente, o fará para resguardar-se em face dos pleitos indenizatórios que advirão".
 
Obstáculos identificados pela FIESC para aplicação da NR-12.
 
Alta complexidade: as obrigações acessórias passaram de 40 para 340.
 
Desconformidade com o padrão mundial: máquinas fabricadas na União Europeia, por exemplo, podem não estar adequadas à NR-12.
 
Retroatividade das obrigações: a norma se aplica inclusive às máquinas compradas antes da reformulação em 2010.
 
Custos: são elevados para adequação das máquinas e os prazos insuficientes para realizar as alterações.
 
Certificação: falta de órgão certificador para atestar a validade para máquinas e equipamentos. Cabe ao setor produtivo contratar consultorias especializadas.

 
Revista Proteção.
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

26 de janeiro de 2015

OFICIO EXTRAJUDICIAL EM RESPOSTA E REPUDIO AO CORPORATIVISMO CONTRA O PROFISSIONAL TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.


São Paulo, 14 de janeiro de 2015

Ao
Sr. CELSO ATIENZA

REF.: Competência do Técnico de Segurança do Trabalho para a elaboração do PPRA.
 
OFÍCIO EXTRAJUDICIAL
 
Prezado Senhor,
Em atendimento às várias manifestações de profissionais Técnicos de Segurança e o nosso filiado - SINTESP Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho no Estado de São Paulo, e de profissionais ligados ao segmento de segurança e saúde no trabalho, vimos por meio desta manifestar nossa indignação e insatisfação quanto à interpretação legal da NR-9 por Vossa Senhoria, em documento amplamente divulgado e disposto no site da Associação Paulista dos Engenheiros de Segurança do Trabalho - APAEST, alegando não ser de competência ou habilitação do Técnico de Segurança do Trabalho a elaboração do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), conforme cópia de documento anexo, o que não tem fundamentação legal.
 
Inicialmente, convém esclarecer que os Técnicos de Segurança do Trabalho constituem categoria profissional diferenciada, assim reconhecida pelo Ministério do Trabalho por meio de Cartas ou Registros Sindicais, homologados no MTE aos respectivos sindicatos e a esta Federação de Trabalhadores conforme estabelece a legislação própria.
 
Esta categoria é disciplinada especificamente pela Lei nº 7.410/85, pelo Decreto nº 92.530/86, pela Portaria no. 3.214/78 (Norma Regulamentadora NR-04) e, por fim, pela Portaria nº 3.275/89, ambas do Ministério do Trabalho, sendo certo ainda que a respectiva categoria dispõe de Dissídio Coletivo próprio com reconhecimento pelos Tribunais Regionais do Trabalho e TST.
 
No entanto, o CREA não tem poderes para legislar e estabelecer competência para nossa categoria de profissionais.
 
Lembramos que estas atitudes isoladas não representam o sentimento da maioria absoluta dos Engenheiros de Segurança e os sistemas CONFEA/ CREA, com os quais temos mantido entendimentos cordiais nesta questão, junto a Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego, sendo, portanto, um assunto superado.
 
A FENATEST, procurando dirimir dúvidas de interpretação jurídica, formulou consultas ao Ministério do Trabalho e Emprego através da Secretaria de Inspeção do Trabalho/DSST, órgão este que pronunciou definitivamente pela clareza do texto da Norma Regulamentadora – N 09, que dispõe:
 
9.3.1.1 da Norma Regulamentadora NR-09 (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA);
 
A elaboração, implementação, acompanhamento e avaliação do PPRA poderão ser feitas pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT ou por pessoa ou equipe de pessoas que, a critério do empregador, sejam capazes de desenvolver o disposto nesta NR.
 
Portanto, está claro que o profissional Técnico de Segurança do Trabalho pode elaborar esse programa, visto que o mesmo faz parte do serviço especializado em segurança e medicina no trabalho (SESMT), conforme previsto no artigo 162 da Consolidação das Leis do Trabalho que também regula a matéria, sendo que a respectiva norma não contempla corporativismo na elaboração deste programa.
 
Estas condutas corporativas são no mínimo antiéticas e compromete ainda mais a credibilidade deste importante instrumento junto as empresas e aos trabalhadores, ferindo assim preceito constitucional disposto no artigo 5o, inciso XIII da Constituição Federal (texto – “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, fenatest@fenatest.org.br – www.fenatest.org.br - Fone: (11) 33312700 Fax (11)3222-9399 - Estados Filiados: AL-AP-AM-BA-DF-ES-GO-MA-MT-MS-MG-PA-PB-PR-RJ-RN-RS-RO-RR-SC-SP-SE-AC-TO, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;”), desestimulando a sua prática na busca das melhorias das condições de trabalho, que visa à preservação da saúde e integridade dos trabalhadores e melhoria contínua dos ambientes de trabalho.
 
Devemos sim, buscar conjuntamente a qualidade deste importante Programa de Prevenção de Acidentes e Trabalho. De acordo com o Processo 2005.61.00.00.018503-5 – Mandado de Segurança Coletivo, impetrado pelo Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho no Estado de São Paulo ao Presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo, conclui-se, dessa forma, a impossibilidade do CREA, por meio de seu poder normativo, dispor sobre a atividade de Técnico de Segurança do Trabalho, ou mesmo impor o registro obrigatório, isto porque, consoante o princípio da hierarquia das normas, não é possível que uma disposição de hierarquia inferior (resolução do CONFEA), fixe uma exigência não prevista na lei, pois, como já pacificado no colendo Supremo Tribunal Federal, somente a lei em sentido formal pode estabelecer requisitos para o exercício de trabalho, ofício ou profissão (Constituição Federal, art. 5º, XIII), sendo inadmissíveis exigências previstas em atos normativos infra legais.
 
Convém lembrar que o PPRA é um Programa e não um Laudo, como quer fazer entender, e que são sim inerentes às funções do Técnico de Segurança do Trabalho, devidamente regulamentado pela NR-4, da Portarias 3.214 e 3.275 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
 
Ressalte-se que os Técnicos de Segurança do Trabalho, quando da conclusão do curso profissional, deve regularizar o seu registro perante o Ministério do Trabalho e Emprego, através das Superintendências Regionais do Trabalho, conforme grade curricular de formação aprovada melo MEC com base na Portaria 3.214/78, inclusive com a emissão da credencial por aquele órgão, até que seja regulamentado o seu próprio Conselho de Classe.
 
O sistema CONFEA/CREA não tem poder para legislar sobre a competência e habilitação profissional do Técnico de Segurança do Trabalho.
 
Sendo assim, solicitamos a V. Sa. providenciar urgente e cabível interrupção da divulgação do seu texto versando sobre sua posição pessoal no site da APAEST, que traz ao profissional técnico de segurança do trabalho prejuízos irreparáveis, quer seja no campo profissional e moral, bem como o desemprego em nossa atividade, visto que a publicação configura como tendo a chancela do vosso conselho de classe, o que por si só é intimidativo para o leigo.
 
Finalizando, citamos alguns dos processos judiciais impetrados por nossos sindicatos da categoria dos técnicos de segurança, com decisão judicial favorável - 2007.61.00.029992-0 SP; 0000452 03.201.2.5.01.004-RJ; 2005.61.00.00.018503-5-SP; 2002.34.00.0092200-7-DF; 2002.35.00.000087-8-GO; 2003.37.00.011469-1; MA; 2006.71.00.029701-5 RS.
 
Armando Henrique,
 
Dra. Nair Soares
Presidente OAB 93452-SP.
 
Com Cópia:
 
Ministério Público do Trabalho.
 
Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho – MTE.
 
Superintendência Regional do Trabalho.
 
Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho no Estado de São Paulo.
 
Associação Paulista dos Engenheiros de Segurança do Trabalho - APAEST.

“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.
 

E a dúvida permanece é Técnico EM ou DE Segurança.

Recebi em meu correio particular da Rose Moraes, Técnica em Segurança do Trabalho, esse comentário que achei além de interessante, muito importante para nossa classe que resolvi repassar na integra para os seguidores deste blog.
 
Sempre em meus textos escrevo Técnico EM, quando estou me referindo à classe a qual tenho imenso orgulho de pertencer, mas, alguns colegas continuam a insistir em escrever Técnico DE.
 
Após essa verdadeira aula de Português, espero que todos os colegas passem a fazer uso da grafia correta conforme texto abaixo:
 
Tenho visto nos últimos dias várias mensagens oferecendo vagas de emprego e outros assuntos chamando a nós de Técnicos DE Segurança do Trabalho.
 
A preposição DE após o substantivo “Técnico” sugere aplicação de reparos, tal qual em "mecânica DE automóveis", "técnico DE refrigeração" e tantos outros conhecidos.
 
A nós, em nossos cursos de formação (pelo menos é o desejado) são dados conhecimentos, e exemplos de técnicas para o fomento e preservação de uma cultura chamada prevencionista, somos especialistas em um assunto e não em uma máquina ou funcionamento de várias delas.
 
O meu diploma me habilita a ser Técnico EM Segurança do Trabalho, o conhecimento DE algo é efêmero, mas quando o é EM algo, demonstra um aprofundamento maior no assunto.
 
Tanto se fala aqui em Conselho de Classe, em Sindicatos e várias formas de associação, mas creio que antes de mais nada, devemos prezar pela unidade profissional, uma das formas da manutenção da unidade profissional é padronização do nome da profissão, somos Técnicos EM Segurança, somos especialistas e não meros consertadores de algo que deu errado.
 
Temos valor, somos importantes dentro de uma empresa, seja lá do ramo que for, cabe a cada um de nós mostrarmos e manter esse valor para que o grupo como um todo seja valorizado e reconhecido.
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

25 de janeiro de 2015

LEIA COM ATENÇÃO - O Registro Profissional do Técnico em Segurança do Trabalho.


Muitos administradores de empresas por desconhecerem o assunto cobram erroneamente o Registro Profissional do Técnico em Segurança do Trabalho junto ao CREA - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
 
A confusão deve-se ao fato do Técnico em Segurança ser o único profissional de nível médio que possui registro em órgão diverso ao do profissional correlato de nível superior, que no caso é o Engenheiro de Segurança do Trabalho.
 
Antes da Lei 7.410/85, todos os profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) possuíam registro no Ministério do Trabalho, nas antigas Secretarias de Segurança e Medicina do Trabalho.
 
Os profissionais com registro no Antigo Ministério do Trabalho eram: Engenheiro de Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho, Enfermeiro do Trabalho, Técnico em Segurança do Trabalho e Técnico/Auxiliar de Enfermagem do Trabalho.
 
Com a publicação da aludida Lei esses profissionais passaram a integrar os seus respectivos Conselhos de Classe, pois já possuíam o registro da sua formação inicial (Engenharia, Medicina, etc.).
 
No entanto, os Técnicos da área de Segurança, recusaram passar seus registros para o CREA, considerando a insatisfação dos Técnicos das outras áreas que possuem aquela autarquia como Conselho de Classe, permanecendo com seus registros no próprio órgão do Ministério do Trabalho e Emprego.
 
O Técnicos em Segurança registrados no CREA não podem exercer a profissão perante a legislação vigente.
 
A Lei 7.410/85, o Decreto nº 92.530 de 09/04/1986, a Portaria 262/08, rezam taxativamente “O exercício da profissão do Técnico em Segurança do Trabalho depende de prévio registro no Ministério do Trabalho e Emprego”, não deixando dúvidas com relação ao fato.
 
Portanto, Técnicos em Segurança do Trabalho registrados no CREA não podem exercer a profissão, nem assinar Programas de Segurança e tampouco integrar os SESMT constantes da NR-04, o que não ocorre com os profissionais que possuem o Ministério do Trabalho e Emprego como órgão representativo da classe.
 
Além do mais, o sistema CONFEA publicou ATO prejudicando os Técnicos com registro nos CREA, proibindo os mesmos de elaborar e assinar programas de segurança, como o PPRA, o PCA, o PPR e outros, restringindo os direitos garantidos pela Portaria 3.275/89 do Ministério do Trabalho.
 
Também, a partir de 2001, publicou vários ATOS exigindo que todas as empresas que possuíssem SESMT, registrassem seus profissionais de segurança no CREA, inclusive o Técnico em Segurança do Trabalho.
 
Frente a isso, a FENATEST - Federação Nacional os Técnicos de Segurança do Trabalho, bem como, sindicatos de vários estados e profissionais, entraram com vários mandados de segurança contra o CREA, para que o mesmo se abstenha de exigir o Registro Profissional do Técnico ou mesmo fiscalize tal exercício profissional.
 
Diante do exposto, não há o que se cogitar a respeito do registro do Técnico em Segurança do Trabalho  no CREA em caráter facultativo ou de “brincadeirinha”.
 
Caso algum TST possuidor de registro naquela autarquia seja pego assinando programas de segurança, mesmo apondo o registro no MTE, poderá ser autuado por exercício ilegal da profissão. Isso ocorre porque quando o Téc. Seg. do Trabalho, efetua seu registro no CREA automaticamente concorda com seus ATOS regulamentares do Órgão.
 
Para o CREA, o único profissional habilitado a assinar programas de segurança é o Engenheiro de Segurança. Isso já foi regulamentado desde a invenção do PPRA e do PCMAT. Então, não adianta registrar se com outros títulos, como por exemplo, o de Tecnólogo ou de Bacharel em Segurança do Trabalho. Para o Tecnólogo, o CREA também já negou a assinatura em quaisquer dos programas de segurança do MTE.
 
A categoria dos Técnicos em Segurança do Trabalho, encontra-se em mobilização para a criação do Conselho Profissional, cujo projeto encontra-se no Congresso Nacional.
 
É importante que os profissionais de todo país pressionem os parlamentares para que acelerem a criação desse conselho, enviando e-mail, cartas, cobranças por meio da ouvidoria do Ministério do Trabalho, etc.
 
“Não permita que por omissão que o CREA acabe com a nossa profissão, a união da classe é fundamental".
 
Heitor Borba informativo.
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”. 

23 de janeiro de 2015

"Planeta Água" - DDS.


A água é o elemento que deu origem e sustenta a vida no Planeta Terra, sem a água nenhuma espécie vegetal ou animal, incluindo o homem, sobreviveria.
 
Cerca de 70% de nossa alimentação e do nosso próprio corpo são constituídos por água e mais da metade de todas as espécies de animais e plantas do planeta são aquáticas.
 
Cerca de 99,9% das águas de nosso planeta são salgadas ou permanentemente congeladas, resta-nos não muita quantidade de água doce para a manutenção de nossas necessidades.
 
E quando nos lembramos disso?
 
Quase nunca, talvez somente quando abrimos as torneiras vazias, ou sentimos sede, assim sendo, não seria importante refletirmos sobre essa importantíssima questão?
 
Está na hora de preservarmos esse imprescindível recurso e que é finito (não é renovável), se não for adequadamente tratado.
 
Nossa contribuição pode ser dada da seguinte forma:
 
Evitando desperdícios (fazer uso racional da água tratada);
 
Não jogar lixo, resíduos e entulho nos mananciais (Rios, Lagos e Lagoas e principalmente em nascentes);
 
Não usar indiscriminadamente agrotóxicos;
 
Denunciando qualquer tipo de agressão aos cursos d'água principalmente doce;
 
Não esqueça a qualidade e a disponibilidade da água, está em nossas mãos, basta fazermos nossa parte.
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

22 de janeiro de 2015

Comunique-se para integrar – DDS.

Para as empresas de modo geral, a comunicação é a principal ferramenta para estabelecer parcerias e comprometimentos entre todas as pessoas, independente de seu nível dentro da organização.
 
Sempre é tempo para melhorarmos o sistema de comunicação, primeiro para manter o estímulo à motivação e ao comprometimento e segundo para consolidar o processo de melhoria contínua.
 
Quanto melhor for a comunicação, maior será a possibilidade de acerto e melhor será o acompanhamento dos resultados alcançados.
 
Para uma boa comunicação é necessário que se garanta os seguintes critérios:
 
Cultivar o respeito entre pares, líderes e liderados; Estabelecer ambiente de cordialidade receptividade permanentemente;
 
Saber ouvir o colega, o subordinado ou chefe é fundamental;
 
Ninguém é tão autossuficiente que não precise aprender nada, e ninguém é tão deficiente que não possa contribuir com nada;
 
Todas as pessoas têm valores que precisam ser preservados e o comportamento, caminho comum final, deve ser permanentemente estimulado ao crescimento, ao comprometimento e ao desenvolvimento;
 
Não há boa ideia que nasça pronta, as grandes ideias são aquelas que podem ser melhoradas continuamente;
 
Não há apenas mão de obra e sim mão, mente e espírito porque o homem é o começo, o meio e o fim de todo o processo produtivo, por isso, se não há comunicação, não há mudança alguma se o homem não quiser mudar.
 
Diante do exposto, para qualquer processo de desenvolvimento é necessário acima de tudo que se saiba onde se quer ir e como chegar lá, para isso, a comunicação e a principal ferramenta, o método mais eficaz, mais prático e mais produtivo do relacionamento interpessoal.
 
"Comunique-se mais com seu colega de trabalho, viva melhor, isso vale a pena!"
 
 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.
 

21 de janeiro de 2015

A N O S O G N O S I A - DDS. Repasse isso para sua equipe.


Que alívio ter conhecimento disto! Se você anda preocupado por que:
 
1 - Não se recorda dos nomes próprios;
 
2 - Não se recorda onde deixou alguma coisa;
 
3 - Quando estou conversando e tenho que interromper o pensamento por ser interrompido, tenho dificuldades de continuar com a conversa no ponto em que a tinha deixado; Enfim, creio que começava a pensar que tinha um inimigo dentro da minha cabeça, cujo nome começa por Alz...
 
Hoje li um artigo que me deixou bem mais tranquilo, por isso passo a transcrever a parte mais interessante:" Se tu tens consciência dos teu problemas de memória, então é porque ainda não tens problemas".
 
Existe um termo médico que se chama ANOSOGNOSIA, que é a situação em que não se recorda temporariamente de alguma coisa.
 
Metade dos maiores de 50 anos apresentam algumas falhas deste tipo, mas é mais um fato relacionado com a idade do que com a doença.
 
Queixar-se de falhas de memória é uma situação muito comum em pessoas com 50 ou mais anos de idade.
 
Traduz-se por não recordar um nome próprio, entrar numa divisão da casa e esquecer-se do que se ia fazer lá ou buscar, esquecer o título de um filme, ator, canção, não se lembrar de onde deixou os óculos, etc. etc.
 
Muitas pessoas preocupam-se, muitas vezes em excesso, por este tipo de esquecimento.
 
Daí uma informação importante:
 
"Quem tem consciência de ter este tipo de esquecimento, é todo aquele que não tem problemas sério de memória.
 
Todos aqueles que padecem de doença de memória, com o inevitável fantasma de Alzheimer, são todos aqueles que não têm registro do que efetivamente se passa.
 
B. Dubois, professor de neurologia de CHU Pitié-Salpêtrière, encontrou uma engraçada, mas didática explicação, válida para a maioria dos casos de pessoas que estão preocupadas com os seus esquecimentos:
 
"Quanto mais se queixam dos seus problemas de memória, menos possibilidades têm de sofrer de uma doença de memória".
 
Este documento é dedicado a todos os esquecidos que me recordo.
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

20 de janeiro de 2015

É apenas uma questão de BOM SENSO!

 
Tenho observado que de modo geral, os atuais lideres da classe prevencionistas, principalmente a do Estado do Rio de Janeiro, não possuem a menor noção do que seja bom senso.
 
Imagino que eles não sabem o que é liderança, nem se fosse mordido por ela, mesmo assim, por uma daquelas inexplicáveis ironias do destino (Nunca presenciei nenhum deles promovendo eventos  em prol dos TST), ganham cada vez mais espaço junto à classe dos profissionais Técnicos em Segurança do Trabalho que completamente sem noção da realidade, por comodidade e/ou desconhecimento dos prejuízos futuros para profissão, deixam passar impune essa situação do nosso sindicato.
 
A liderança é representada pela sua capacidade de influenciar, agrupar pessoas para agir em prol de um determinado objetivo. É nisso Jesus era imbatível.

Ninguém pode negar que esse homem exerceu uma grande influencia no planeta.
 
Não é um ponto de vista religioso não, é um fato, ele tinha tanta influencia, que nós devemos prestar atenção no que ele tinha a dizer:
 
As pessoas devem seguir você de livre e espontânea vontade. Isso significa exercer a liderança por meio da autoridade, e não pelo poder como vem agindo nossos atuais dirigentes.
 
Eles querem o poder e nem passa por seus pensamentos lutar pelo bem estar da classe prevencionistas do estado do Rio de Janeiro, pelo menos é o que tenho observado, caso eu esteja errado, peço as  provas contrária as minhas observações.


Marcio Santiago Vaitsman
 

 
“Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.