Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

31 de maio de 2015

Aprenda as 5 leis da Mente.

Mostramos aqui algumas grandes leis que regem a mente humana. Compreende-las e colocá-las em pratica e a chave para aprendermos a controlar nossos pensamentos.
 
Existem algumas grandes leis que governam todo o pensamento, assim como existem algumas leis fundamentais em química, em física, em mecânica, por exemplo.
 
Sabemos que o controle do pensamento e a chave do destino, e para aprender o controle do pensamento temos de conhecer e compreender essas leis, assim como o químico tem de compreender as leis da química e o eletricista, as leis da eletricidade.
 
Uma das grandes leis da mente e a Lei da Substituição. Isso quer dizer que o único meio de se livrar de um determinado pensamento e substituí-lo por outro.
 
Você não pode por um pensamento de lado diretamente. Só pode fazer isso substituindo-o por outro.
 
No plano físico não e assim. Você pode largar um livro ou uma pedra simplesmente abrindo a mão e deixando-os cair, mas isso não funciona com o pensamento.
 
Se quiser por um pensamento negativo de lado, a única maneira de fazê-lo e pensar em algo construtivo e positivo.
 
Se eu lhe disser: “Não pense na Estatua da Liberdade”, e claro que imediatamente pensara nela. Se você disser: “Não vou pensar na Estatua da Liberdade”, já esta pensando nela.
 
Mas digamos que, depois de ter pensado nela, você se interessa por outra coisa que ouviu nos meios de comunicação e se esquece da Estatua da Liberdade – isso e um caso de substituição.
 
Quando os pensamentos negativos vierem a sua mente, não lute contra eles, mas pense em alguma coisa positiva, de preferência em Deus. Mas, se isso for difícil no momento, pense em qualquer ideia positiva ou construtiva.
 
Acontece, às vezes, que os pensamentos negativos parecem dominá-lo de um tal jeito que você não consegue vencê-los. E a isso que damos o nome de crise de depressão, ou crise de angustia, ou quem sabe crise de raiva.
 
Num caso desses, o melhor a fazer e procurar alguém com quem conversar sobre qualquer assunto, ir assistir a um filme ou ao teatro, ler um livro interessante.
 
Se você se sentar para lutar contra a maré negativa, o mais provável e que a aumente a tentação de pensar cada vez mais negativo.
 
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

29 de maio de 2015

Resposta - Os veteranos estão assustando os novatos!

Público na integra para os seguidores deste blog, carta recebida em meu correio, a qual concordo em número, gênero e grau, foi a resposta que parece ter sido arrancado de minha mente para esse assunto que havia eu prometido uma resposta. Aí está respondida pela colega Kyria.
 
Bom dia a todos!
 
Acho que tudo na vida depende de vontade, perseverança, coragem e determinação em superar e vencer todos os obstáculos.
 
Um profissional não nasce feito mesmo que tenha o "dom" para a profissão.
 
Tudo nele precisa ser melhorado e aperfeiçoado dia a dia e com o Técnico em Segurança não é diferente.
 
Precisamos deixar de fazer comparações com os outros e buscar o nosso diferencial que permita um ingresso no mercado e para isso tanto faz que sejamos novatos ou veteranos.
 
O que vale é a busca constante por conhecimentos, é não se sentir humilhado por ter que começar de "baixo", é não ter vergonha de reconhecer e admitir os próprios erros porque através deles aprendemos a fazer as coisas certas, é não se deixar abater por um monte de NÃO POSSO, NÃO VOU CONSEGUIR, ESTÁ DIFICIL, NÃO SOU NINGUÉM, FULANO É MELHOR OU MAIS PREPARADO DO QUE EU, e similares.
 
Confiança em si mesmo é a chave que poderá abrir muitas portas. Não se deve confundir confiança em si mesmo com auto-suficiência.
 
Cada pessoa é única, têm características próprias, talentos próprios e não adianta querer ser igual a fulano ou beltrano.
 
Buscar a sua própria identidade, se empenhar naquilo que quer ser, não ter "preguiça" de procurar ser o melhor no que faz e fazer bem feito e não ficar esperando pelos QI's da vida são alguns dos estímulos para atingir objetivos.
 
Na vida nada é fácil e temos que manter a força e a coragem para não desistir das batalhas que fatalmente nos levará ao fracasso total.
 
Boa sorte a todos!
 
Kyria de Fátima
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

Segurança no escritório – DDS.

Muitos trabalhadores pensam que, num escritório, não estarão expostos a riscos. Isto os leva a um falso sentimento de segurança tendendo a negligenciarem os seus atos.
 
Porém uma verificação mais apurada dos hábitos no escritório mostra que condições de risco existem também com frequência fora da área operacional.
 
As quedas representam os acidentes mais comuns e causam a maioria dos ferimentos incapacitantes. Na realidade, os trabalhadores de escritórios estão duas vezes mais sujeitos a sofrer quedas do que os outros.
 
As pessoas caem enquanto estão andando, subindo escadas e mesmo quando sentadas em suas cadeiras.
 
Elas tropeçam em fios elétricos de telefone, gavetas de arquivo e de mesas abertas e em equipamentos e pacotes deixados por onde andam.
 
Uma boa arrumação é essencial para evitar as quedas. Não suje o piso e enxugue qualquer líquido derramado imediatamente. Recolha pedaços de papel, clipes borrachas, lápis e outros objetos, assim que encontrá-los.
 
Os arquivos representam outra fonte de muitos acidentes em escritórios. Tome cuidado quando abrir mais de uma gaveta ao mesmo tempo e não armazene muito material na gaveta superior.
 
Estas duas situações sobrecarregam o topo do arquivo, inclinando-o e fazendo com que caia. Use apenas uma gaveta de cada vez. Abra-a somente a quantidade necessária, fechando-a assim que a tarefa for concluída. Não bata as gavetas para fechá-las. Muitos dedos já foram esmagados por isso.
 
Usando uma cadeira, nunca se incline para pegar objetos no chão, ou incline para trás para colocar os pés na mesa. Naturalmente, o hábito mais perigoso é subir numa cadeira – especialmente as equipadas com rodinhas – para alcançar um objeto mais alto.
 
Essas são algumas práticas que lhe ajudarão a manter sua segurança no escritório.
 
Observe o caminho; Não leia e caminhe ao mesmo tempo; Não permaneça em frente a portas que abram na sua direção; Não jogue fósforos ou cigarros em cestas de lixo; Saiba onde estão os extintores de incêndio e como usá-los; Obedeça aos avisos; Em caso de incêndio, não use os elevadores.
 
Um acidente em escritório é tão grave e doloroso quanto um que possa ocorrer no interior na fábrica ou no trajeto para o trabalho.
 
Pense nisso.
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”. 

27 de maio de 2015

Sindicatos como negócios - Como está o seu?


O Brasil livrou-se, anos atrás, de se tornar uma república sindicalista, mas descambou para outro mal.
 
Os sindicatos enveredaram pelo mundo dos negócios à custa do trabalhador com carteira assinada, de cujos contracheques são descontados R$ 2 bilhões por ano, com tendência a crescer. Por obra e graça do Imposto Sindical, o sindicalismo é uma atividade próspera, com poucos benefícios para os sindicalizados, mas muito lucro para os dirigentes.
 
O Brasil hoje tem 9.046 sindicatos, dos quais 126 registrados só neste ano, o que dá uma média de um por dia. Longe de ser expressão da liberdade sindical, trata-se de uma caríssima farra.
 
É constitucionalmente garantido o direito de associação para a defesa de melhores condições de trabalho, mas o que se vê são muitos sindicatos que só se mobilizam para campanhas salariais nas datas-bases. Ou, como no caso de sindicatos de servidores públicos, para pleitear, por meio de greves em ano eleitoral, reestruturações de carreiras, com aumento de adicionais aos seus proventos.
 
Mas não é apenas isso que está acontecendo hoje no País, depois que o Ministério do Trabalho, por motivos políticos, passou a omitir-se com relação ao desmembramento de sindicatos. Antes limitados a uma determinada base geográfica para cada categoria, eles passaram a se multiplicar, o que não foi consequência apenas de rachas políticos ou ideológicos. O objetivo é arrecadar dinheiro.
 
Essa proliferação de sindicatos artificiais é lucrativa para as centrais de trabalhadores, que nada fazem para coibir essa distorção, uma vez que embolsam 10% do bolo das contribuições sindicais, distribuídos proporcionalmente ao número de entidades filiadas. Ainda por cima, as centrais sindicais, por uma benesse do governo, estão desobrigadas de prestar contas ao TCU ou a quem quer que seja.
 
O Ministério do Trabalho até agora tem feito vista grossa para essa abundância de entidades sindicais. Mas alguns setores já começam a se preocupar com a infração do princípio legal da unicidade sindical.
 
"A minha premissa é de que os dirigentes pararam de ser dirigentes para serem empresários. Fundam sindicatos como se fossem empresas", como disse Antônio Cavalcante Rodrigues, procurador do Ministério Público do Trabalho.
 
 Como se vê, vão longe os tempos em que alguns sindicatos tinham comissões de sindicância, que complementavam ou supriam a função fiscalizadora de que o Ministério do Trabalho está incumbido.
 
Entidades nunca fiscalizadas se vêm transformando em indústrias subsidiadas pelo governo por meio do Imposto Sindical, uma herança da ditadura getulista que o regime democrático foi incapaz de eliminar. A persistência desse maná fez surgir o que o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, chama, sem meias palavras, de "banditismo sindical".
 
E você sabe quanto o seu Sindicato fatura anualmente?
 
Você sabe os beneficios que é oferecido pelo seu sindicato?
 
Você sabe de alguma reenvindicação  feita pelo seu sindicato em beneficio da classe nos ultimos 5 anos?
 
Você conhece os dirigentes do seu sindicato?
 
Parece até um sindicato que conheço ou é mera coincidência....Essa classe precisa se unir para que possa dislumbrar um futuro próspero com melhores salários e condições profissionais dignas de um Técnico em Segurança do Trabalho.
 
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

26 de maio de 2015

Soluções das empresas para o caso de faltar água no trabalho.


Como as empresas estão lidando com a possibilidade de falta de água e como você deve se planejar para este cenário?

BANCO DE HORAS:

Algumas empresas planejam dispensar os funcionários nos dias mais críticos e adotar um esquema de compensação futura por meio de um banco de horas. É o caso da fabricante de bebidas Bacardi, com sede em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O sistema de banco de horas deve ser adotado tanto para os operários da fábrica como para os trabalhadores administrativos.

Como lidar:

• Prepare um cronograma definindo datas para a conclusão de cada tarefa, já que você terá menos tempo para executar as mesmas atividades. “Adote um sistema parecido ao das vésperas de feriado, em que nos desdobramos para dar conta de tudo em uma semana menor”, diz Paulo Moraes, gerente executivo da Talenses, empresa de recrutamento de São Paulo.

• Dedique o tempo no escritório totalmente ao trabalho e deixe compromissos pessoais para os dias de dispensa.

• Nos dias em que for compensar as horas devidas e prolongar a jornada, procure fazer pausas ao longo do dia, para que o tempo a mais no trabalho seja realmente produtivo.

JORNADA REDUZIDA:

A agência de publicidade DM9DDB, na capital paulista, é uma das que podem adotar a jornada reduzida em caso de piora da crise hídrica. A empresa já testou esse modelo no ano passado, com a liberação dos empregados a partir das 16 horas das sextas-feiras durante o horário de verão. “Já fizemos essa experiência e vimos que as pessoas se engajaram bastante, e o resultado foi mais produtividade e qualidade no trabalho, o que nos deixa tranquilos caso precisemos repetir essa medida”, afirma Maria Eduarda Lomanto, diretora de RH da DM9DDB, de São Paulo.

Como lidar:

• Diminua o tempo no cafezinho, nas conversas paralelas e nas redes sociais e seja mais objetivo nas reuniões.

• Não deixe suas entregas para a última hora. Não dá para correr o risco de atrasar o atendimento a um cliente porque você não pediu a aprovação de seu chefe a tempo.

• Comunique outros departamentos e parceiros de negócios de seu novo horário nesse período, para que eles também possam se programar.

REVEZAMENTO:

A Vip Corretora, de São Paulo, testou em dezembro um sistema pelo qual os funcionários que terão jornada reduzida se revezam. “Fizemos um esquema de rodízio, liberando 70% do escritório em cada sexta-feira a partir das 14 horas”, diz Nicholas Weiser, CEO da corretora, que tem 25 funcionários. “Ainda não conseguimos medir a produtividade, mas percebemos que os funcionários estão mais motivados, então, não teremos problemas em alongar essa experiência”, afirma.

Como lidar:

•  Evite que o afastamento do escritório comprometa seu fluxo de trabalho fazendo um cronograma diário de suas tarefas de curto, médio e longo prazo.

• Renegocie prazos, principalmente com clientes externos, que podem não entender por que algumas demandas estão demorando um pouco mais para ser atendidas.

• Num esquema de revezamento, é fundamental saber dividir e delegar tarefas aos colegas que estarão de plantão enquanto você folga.

HOME OFFICE:

No escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, que tem em São Paulo a maioria de seus 710 funcionários, a crise hídrica acelerou o processo de implantação do home office, disponível para 20% dos advogados. Para isso, o escritório reforçou os servidores e comprou softwares e equipamentos para apoiar o trabalho remoto. “Precisamos assegurar a confidencialidade de nossos clientes”, diz Sólon Cunha, sócio do escritório na área trabalhista. Já a área de recursos humanos da Incube, desenvolvedora de tecnologia móvel e aplicativos com 180 funcionários, na capital paulista, preparou uma escala em que classifica suas áreas segundo o grau de dependência do trabalho presencial e coletivo. Com um agravamento da falta de água, o trabalho remoto — atualmente vigente para 15% do pessoal — seria estendido gradativamente ao restante do quadro, seguindo essa escala. “Mas, se for preciso, 100% da empresa pode entrar em home office”, diz Sheyla Angelotti, diretora de RH da Incube, de São Paulo.

Como lidar:

• Em casa, explique à família que sua presença ali não significa que você está de folga e delimite um espaço para trabalhar sem ser interrompido.

• Se o ambiente caseiro não permitir concentração, com crianças e pessoas circulando o tempo todo, procure outros espaços, como cafés e espaços de trabalho compartilhado.

• Em horário de trabalho, o profissional em home office está à disposição da empresa. Por isso, não descuide de e-mails nem do celular.

• Mesmo de longe, mantenha o chefe informado sobre o andamento e a execução das tarefas.

• Prepare-se para os encontros presenciais com dúvidas, sugestões e dados sobre os avanços obtidos durante o período de trabalho remoto. Aproveite essas ocasiões para planejar os próximos dias.

CAMINHÃO-PIPA E BANHEIRO QUÍMICO:

Nas empresas e nos departamentos onde não é possível ter flexibilidade de horário, a saída tem sido o investimento em medidas como a perfuração de poços ou a compra de suprimentos adicionais de água. É o caso da Uranet, empresa de call center de São Paulo, com mais de 5000 colaboradores, que já vem recorrendo a caminhões-pipa para garantir o abastecimento em três de seus cinco endereços na cidade. Em caso de intensificação da crise, a direção já tem um plano para manter os banheiros em funcionamento. “Fizemos acordo com fornecedores de banheiros químicos para o caso de um colapso no fornecimento de água”, diz Roberto Noda, diretor da Uranet.

Como lidar:

• Leve de casa água para beber e álcool gel para a higiene das mãos.

• Evite ao máximo o desperdício nas torneiras e na descarga, para que colegas de outros turnos não fiquem sem água.

• Procure ser rápido no uso dos banheiros para que não se formem filas caso alguns sanitários sejam substituídos por versões químicas.

Exame.com / VOCÊ S/A.

 

"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

BOM SENSO !


Penso que os atuais lideres da classe Prevencionista, principalmente a do Estado do Rio de Janeiro, não possuem a menor noção do que seja bom senso.

Penso também que não sabem o que é liderança nem se fosse mordido por ela, mesmo assim, por uma daquelas inexplicáveis ironias do destino (Nunca presenciei nenhum deles lutando em prol dos TST), ganham cada vez mais espaço junto à classe dos profissionais Técnicos em Segurança do Trabalho que completamente sem noção da realidade, por comodidade e/ou desconhecimento dos prejuízos futuros para profissão, deixam passar impune essa situação no nosso sindicato.

A liderança representa a sua capacidade de influenciar pessoas a agir. É nisso Jesus era imbatível. Ninguém pode negar que esse homem exerceu uma grande influencia no planeta.

Não é um ponto de vista religioso não, é um fato, se ele tinha tanta influencia, nós devemos prestar atenção no que ele tinha a dizer:

As pessoas devem seguir você de livre e espontânea vontade. Isso significa exercer a liderança por meio da autoridade, e não do poder como vem agindo nossos atuais dirigentes.

Eles querem o poder e nem passa por seus pensamentos lutar pelo bem estar da classe Prevencionistas do Estado do Rio de Janeiro.


Marcio Santiago Vaitsman


"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

25 de maio de 2015

AERODISPERSÓIDES NO MEIO AMBIENTE – DDS.


Aerodispersóides são partículas ou gotículas extremamente pequenas em suspensão na atmosfera ou ambiente de trabalho, que são transportados pela corrente de ar, estas são geradas pela ruptura mecânica de sólidos como minerais ou vegetais pulverizados a que chamamos de poeira. Como também os materiais líquidos que originam os vapores decorrentes da evaporação de água, combustíveis e outras substâncias voláteis.
 
E estes são considerados poluentes do ar ou ambiente de trabalho, com exceção do vapor da água pura, que formam as nuvens.
 
Os demais Aerodispersóides são caracterizados poluentes devido as suas características físicas e químicas, que os fazem nocivos à saúde e bem estar dos seres vivos e ecossistemas.
 
A poeira, por exemplo, é um poluente nocivo a saúde, porque pode provocar doenças respiratórias e alérgicas, tanto nos homens quanto nos animais.
 
Quanto aos gases ou vapores, podem causar doenças, alergia e intoxicação, nos homens, animais e até plantas, que ás vezes induzindo a morte precoce.
 
Estes Aerodispersóides podem ser detectados e quantificados quando presentes na atmosfera, através do cheiro, odor, perfume ou através de aparelhos que coletam amostras em suspensão.
 
Nunca entre em um ambiente fechado, onde são armazenados produtos químicos, pois a concentração de Aerodispersóides poderá ser o suficientemente letal.
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”. 

24 de maio de 2015

Vamos falar da DENGUE – DDS.


A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo.
 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que milhões de pessoas se infectem anualmente em vários países dos cinco continentes, exceto a Europa, estima-se que cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil possam morrer em consequência da dengue.
 
A única maneira de evitar a dengue é não deixar o mosquito nascer.
 
Não deixe a água, mesmo limpa, ficar parada em qualquer tipo de recipiente como:
 
Garrafas; Pneus; Pratos de vasos de plantas; Xaxim; bacias e Copinhos descartáveis.
 
É necessário acabar com os criadouros (lugares de nascimento e desenvolvimento dele).
 
Tampar sempre as caixas d'água, poços e cisternas, assim como quaisquer outros depósitos de água onde as larvas (0vos) dos mosquitos possam se reproduzir.
 
Uma boa solução é trocar a água por aréia nos pratinhos de plantas.
 
Limpe as calhas e as lajes das casas.
 
Lave bebedouros de aves e animais com uma escova ou bucha e troque a água regularmente.
 
Guarde as garrafas vazias de cabeça para baixo e mantenham os ralos bem fechados.
 
Joguem no lixo copos descartáveis tampinhas de garrafas, latas e tudo o que acumula água.
 
Mas atenção: o lixo deve ficar o tempo todo fechado.
 
Dá trabalho mais vele apena é furar com agulha as folhas das bromélias para não acumular água.
 
Sintomas prováveis da dengue:
 
Fortes dores na cabeça e Febre Alta;
 
Dores musculares e nas juntas,
 
Falta de apetite;
 
Náuseas e vômitos.
 
Os sintomas da dengue são semelhantes aos da gripe, em caso de dúvida não vacile, procure imediatamente um médico.
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”. 

22 de maio de 2015

Segurança em laboratório - DDS.

Devido ao avanço tecnológico, o desenvolvimento de máquinas e equipamentos mais sofisticados, a descobertas de novos produtos químicos, cada vez mais, há o perigo de explosão e riscos de acidentes dentro de laboratórios.
 
Podemos evitar ou mesmo diminuir a possibilidade de acidentes com o uso dos E.P.I. e treinamento dos colaboradores nos equipamentos instalados e utilizados no dia a dia.
 
Práticas de segurança são fundamental afim de não expor pessoas e patrimônio a situações perigosas com risco à saúde e perda da produção.
 
Podemos citar algumas causas de Acidentes em Laboratórios, tais como: Operações com vidrarias na capela, montagem de aparelhagens de vidro e introdução de tubos em rolhas, choques térmicos, aquecimentos de produtos em tubos de ensaio, transporte e armazenagem de materiais químicos.
 
A maioria das substâncias utilizadas em laboratório são tóxicas, portanto identifique cada produto que vai manipular.
 
Procure conhecer suas propriedades e incompatibilidade antes de manipular produtos químicos.
 
Evite distração e nunca improvise ensaios dentro de um laboratório químico.
 
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.

21 de maio de 2015

RESSACA – DDS

Gosto de guarda-chuva na boca, consequências comuns da intoxicação pelo álcool. Um mal-estar comum nos dias seguintes aos grandes porres.
 
A ressaca é o resultado da intoxicação pelo álcool ingerido em excesso. Os sintomas acontecem em decorrência de uma série de alterações no corpo, especialmente no fígado, cérebro, coração, rins e sistema nervoso.
 
SINTOMAS: Sede, dor de cabeça, sensibilidade à luz, sensibilidade ao som, falta de apetite e sonolência.
 
O álcool no organismo:
 
Cérebro: Induz ao sono: Quem exagera na dose, costuma ter sono rapidamente. Muitas vezes, até dorme na mesa do bar. É o álcool fazendo efeito. O sono, no entanto, chega rápido e duro pouco. A noite de quem bebeu demais é, normalmente, mal dormida.
 
Deprime as atividades motoras: O indivíduo, quando embriagado, fica desajeitado e com dificuldade para desempenhar atividades que exijam atenção, equilíbrio e reflexo.
 
Deprime as atividades intelectuais: No início, quem bebe torna-se desinibido.
 
Em seguida, porém, o indivíduo pode tornar-se agressivo e, por fim, indiferente.
 
Coração: Modifica a atividade cardíaca: O álcool deprime os músculos do corpo e, entre eles, o coração. Por isso, o órgão bate com mais dificuldade e envia menos sangue ao resto do organismo. O que pode prejudicar a nutrição do corpo.
 
Fígado: Reduz os níveis de glicose: O fígado é o órgão responsável por acumular e liberar glicose para todo o resto do organismo. Sua função é limitada pelos efeitos do álcool e, por isso, o indivíduo embriagado pode ter uma crise de hipoglicemia. Provoca dor de cabeça: No processo de fermentação ou destilação do álcool, muitos elementos tóxicos são produzidos.
 
Rins: Diurético: Existe um hormônio que inibe a produção rápida de urina chamada antidiurético. O álcool inibe tal substância e, portanto, leva o indivíduo a urinar todo o tempo. É por isso que as idas ao banheiro são comuns. A eliminação de líquido mais rápido do que o normal piora a desidratação.
 
Estômago: Irrita o tecido: Em torno de 70% do álcool ingerido é absorvido (jogado na corrente sanguínea) pelo estômago. O intestino delgado se responsabiliza pelos outros 30%. A ação da bebida no tubo digestivo provoca náusea e vômito, agravando ainda mais a desidratação:
 
Dicas: Manter-se bem alimentado, a comida é fundamental para repor os sais perdidos, beber muito líquido enquanto se ingere álcool e no dia seguinte, é importante para conter a desidratação, repousar em lugar escuro, sem barulho em volta, evitando agravo na dor de cabeça, não tente curar ressaca ingerindo mais álcool.
 
Não trabalhe quando estiver passado por situação igual a essa, o melhor é procurar seu supervisor e expor o problema.
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história”.