Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

10 de junho de 2015

Carta de um profissional.

O Técnico em Segurança do Trabalho que se registra no CREA passa a não ter atribuições reconhecidas pelo CONFEA.  O PPRA é atribuição do Engenheiro de Segurança do Trabalho.
 
Caso Técnico em Segurança do Trabalho venha a elaborar um PPRA e assinar ele estará infringindo a Resolução nº 437, de 27 de novembro de 1999 do CONFEA.
 
Porém, estando registrado apenas no MTE, não há restrições, pois conforme determina a Portaria n.º 3.275, de 21 de setembro de 1989, as atribuições do Técnico em Segurança do Trabalho é analisar os métodos e os processos de trabalho e identificar os fatores de risco de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho e a presença de agentes ambientais agressivos ao trabalhador, propondo sua eliminação ou seu controle.
 
Alguns Técnicos em Segurança do Trabalho, por pressão de Engenheiros de empresas públicas responsáveis por licitações na contratação de serviços de empresas de engenharia do trabalho as quais os Técnicos  em Segurança são vinculados, estão efetivando seus registros ilegalmente no CREA – Conselho Regional de Engenharia Arquitetura e Agronomia, quando o registro legal do Técnico é no Ministério do Trabalho e Emprego.
 
Que definição legal podemos dar a essa exigência absurda? Coação? Impedimento de função? Constrangimento? Exercício ilegal de fiscalização profissional? Cerceamento de direito constitucional com relação ao livre exercício profissional? São muitos os dispositivos legais infringidos nessas exigências.
 
A alegação para essa cobrança absurda baseia-se no fato de existirem dispositivos no CONFEA exigindo do profissional de nível médio que auxilia o de nível superior, registro no mesmo Conselho, como também, que nos órgãos da administração direta e indireta da União, dos Estados e dos Municípios, somente profissionais "habilitados" podem exercer cargos e funções que exijam conhecimento e formação na área de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Esquecem que os Técnicos de Segurança já são habilitados pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
 
A Lei 7.410/85, o Decreto-Lei 93.412/86, a Portaria 262/08, rezam taxativamente “O exercício da profissão do Técnico de Segurança do Trabalho depende de prévio registro no Ministério do Trabalho e Emprego”, não deixando dúvidas com relação ao fato.
 
Portanto, o CONFEA não tem autoridade legal para realizar fiscalização das atividades profissionais do Técnico de Segurança.
 
O Brasil é o único País no mundo onde a Resolução de uma autarquia pretende ser hierarquicamente superior a um Decreto Federal.
 
Portanto, Técnicos de Segurança do Trabalho registrados no CREA não podem exercer a profissão, nem assinar Programas de Segurança e tão pouco integrar os SESMT constantes da NR-04, o que não ocorre com os profissionais que possuem apenas o Ministério do Trabalho e Emprego como órgão representativo da classe.
 
Não restam dúvidas que tal alegação consiste em mais uma forma de pressão para que a categoria se filie ao sistema CONFEA. Somente por meio da coação conseguem a adesão da classe. Com isso, percebemos as "nobres" intenções daquele sistema em defesa dos nossos profissionais. É evidente que a recusa do profissional em questão quanto a efetivação do seu registro profissional naquele sistema culminará na demissão sumária do mesmo, considerando que a empresa que precisa não poderá ficar no prejuízo.
 
Para efeito ilustrativo, apresento algumas vantagens e desvantagens da efetivação do Registro Profissional no CREA e no Ministério do Trabalho:
 
Registro no Ministério do Trabalho e Emprego:
Vantagem: Exercício legal da profissão:
 
Desenvolvimento pleno da função, como elaboração e assinatura de programas de segurança juntamente com o levantamento ambiental, Análises Ergonômicas, Procedimentos de Segurança, etc;
 
Órgão de Classe (Ministério do Trabalho e Emprego) fiscalizador oficial da área de segurança e saúde ocupacional, possibilitando mediação direta entre a empresa e o órgão fiscalizador;
 
Possibilidade de formação de jurisprudência por meio das demandas judiciais sobre o exercício profissional;
 
Formação de um Conselho de Classe Próprio e Filiação gratuita.
 
Desvantagem: Inexistência de uma Carteira Profissional.
 
Registro no CREA: Vantagem:
 
Recebimento de uma Carteira Profissional;
 
Manutenção do Emprego a que foi coagido;
 
Desvantagem: Exercício Ilegal da profissão:
 
Desenvolvimento parcial da função, como impedimento de assinatura de qualquer programa de segurança e muito menos, do levantamento ambiental, como também, de Análises Ergonômicas, Procedimentos de Segurança, etc.
 
Órgão de Classe voltado unicamente para os interesses dos Engenheiros;
 
Impossibilidade de formação de jurisprudência por meio das demandas judiciais sobre o exercício profissional;
 
Impedimento de formação de um Conselho de Classe Próprio;
 
Filiação paga anualmente/Mensalmente.
 
Diante do exposto, não há o que se cogitar a respeito do registro do Técnico em Segurança do Trabalho no CREA em caráter facultativo ou de “brincadeirinha”.
 
Caso algum Técnico em Segurança do Trabalho possuidor de registro naquela autarquia seja pego assinando programas de segurança, mesmo possuindo o registro no MTE, poderá ser autuado por exercício ilegal da profissão.
 
Isso ocorre porque quando o Técnico em Segurança do Trabalho efetua seu registro no CREA automaticamente concorda com seus Atos, Normas e Regulamentos desses Orgãos.
 
Para o CREA, o único profissional habilitado a assinar programas de segurança é o Engenheiro de Segurança. Isso já foi regulamentado desde a invenção do PPRA e do PCMAT.
 
Dessa forma, não adianta registrar se com outros títulos, como por exemplo, o de Tecnólogo ou de Bacharel em Segurança do Trabalho. Para o Tecnólogo, o CREA também já negou o reconhecimento da profissão e a assinatura em quaisquer dos programas de segurança do MTE.
 
Precisamos nos mobilizar contra esses atentados a nossa categoria.
 
A filiação sindical já é um bom começo.
 
Sucesso a todos.
 
Heitor de Araújo Borba
Técnico em Segurança do Trabalho.
 
 
 
"Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As informações disponibilizadas nesse Blog são de caráter genérico e sua utilização é de responsabilidade exclusiva de cada leitor.