Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

30 de novembro de 2015

VOE MAIS ALTO! - autoajuda DDS.

Logo após a 2ª Guerra Mundial, um jovem piloto inglês experimentava o seu frágil avião monomotor numa arrojada aventura ao redor do mundo.
 
Pouco depois de levantar voo de um dos pequenos e improvisados aeródromos da Índia, ouviu um estranho ruído que vinha de trás do seu assento.
 
Percebeu logo que havia um rato a bordo e que poderia, roendo a cobertura de lona, destruir o seu frágil avião.
 
Poderia voltar ao aeroporto para se livrar de seu incômodo, perigoso e inesperado passageiro.
 
Lembrou-se, contudo, de que os ratos não resistem a grandes alturas. Voando cada vez mais alto, pouco a pouco cessaram os ruídos que quase colocaram em perigo a sua viagem.
 
Moral:
 
Se o ameaçarem destruir por inveja, calúnia, maledicência, diz que diz, voe mais alto.
 
Se o criticarem, voe mais alto...
 
Se fizerem injustiças a você, voe mais alto ainda!
 
Lembre-se sempre que eles não resistem às grandes alturas...
 
Autor Desconhecido.
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

29 de novembro de 2015

Choque elétrico - DDS.

O fluxo da corrente é que causa danos ao organismo em caso de um choque elétrico. Quando uma pessoa se torna parte de um circuito elétrico, a severidade do choque é determinada por 3 fatores básicos:
 
A - A taxa do fluxo da amperagem que atravessa através do corpo;
 
b - O percurso da corrente através do corpo;
 
c - O tempo com que o corpo foi parte do circuito.
 
A eletricidade pode se deslocar somente quando há circuito completo. O choque pode ocorrer quando o corpo faz contato com ambos os fios de um circuito (o positivo e o neutro), um fio de circuito energizado e a terra, ou uma parte metálica de um dispositivo elétrico que tenha sido energizado.
 
As mulheres possuem menor resistência ao choque elétrico do que os homens, em função da constituição orgânica e de outros fatores tais como, condição física, a umidade da pele, podem determinar a quantidade de eletricidade que um corpo humano pode tolerar.
 
Infelizmente, o corpo humano não possui qualquer proteção interna contra o fluxo de corrente elétrica.
 
A superfície da pele fornece a maior parte da resistência ao fluxo da corrente, as peles secas possuem resistência razoavelmente alta, mas a pele úmida possui pouca resistência. Quando a resistência da pele é interrompida, a corrente flui facilmente através da corrente sanguínea e dos tecidos do corpo.
 
Qualquer que seja a proteção oferecida pela resistência da pele, diminui rapidamente esta resistência com o aumento da voltagem.
 
A morte ou ferimentos causados pelo choque elétrico podem resultar do seguinte:
 
Contração dos músculos peitorais, podendo interferir na respiração a tal ponto que resultará em morte por asfixia:
 
Paralisia temporária do sistema nervoso central, podendo causar parada respiratória, uma condição que frequentemente permanece mesmo depois da vítima ter sido desconectada da parte energizada;
 
Interferência do ritmo normal do coração, causando fibrilação cardíaca, uma condição na qual as fibras do músculo cardíaco, em vez de contraírem de maneira coordenada, contraem separadamente e em diferentes momentos. A circulação do sangue pára e ocorre a morte.
 
Parada cardíaca por contração muscular (em contato com alta corrente). Neste caso o coração pode reassumir seu ritmo normal quando a vitima é libertada do circuito;
 
Hemorragias e destruição dos tecidos, nervos e músculos do coração devido ao calor provocado pela alta corrente.
 
A Eletricidade não possui cor nem cheiro, todo o cuidado em seu manuseio e pouco, chame um eletricista para quaisquer reparos em circuito elétrico... É muito mais seguro, não corra riscos desnecessários.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado! 
 
 

27 de novembro de 2015

A trajetória de um profissional – Reflexão para o dia 27 de novembro.


Companheiros (as), você que está iniciando nesta nobre profissão de Técnico em Segurança, posso falar sem medo de errar que ela requer habilidade, dedicação e amor o tempo todo.
 
Se você ainda é novo na área,  tem muito que aprender, estude aproveite a experiência do colega e nunca perca tempo em invejá-lo por razões adversas, caso não goste da profissão, vá à luta, mude de emprego, mostre seu talento em outra profissão, faça acontecer sem pensar ao menos em puxar o saco do chefe.
 
E se isso já está acontecendo, é porque provavelmente ainda não despertou em você a verdadeira vocação pela prevenção e a necessidade de obter as habilidades que precisa para crescer como Técnico em Segurança do Trabalho.
 
Porém, não podemos esquecer que nem sempre mesmo como técnico, não estamos em posição que se possa escolher, principalmente guando ainda não temos a experiência/habilidades necessária, observe a hora certa de mudar de emprego e ou modificar a sua postura profissional para criar condições para revindicar algo para si, mesmo que tenha de mudar de empresa como o acima mencionado.
 
Profissional que gosta do que faz, normalmente alcançam sucesso e não sofre por está em posição desfavorável em relação a salário, mesmo porque ninguém consegue ser feliz e bem sucedido o tempo todo.
 
Você é responsável pelo seu sucesso ou fracasso, agora se você fica estaguinado esperando a oportunidade de melhoria cair do céu, você corre o risco de nunca chagar ao sucesso que seu colega chegou.
 
Tenha a certeza que a satisfação profissional não vem apenas de um salário diferenciado, mas sim do amor que você dedica a profissão.
 
Posso dizer com convicção, todos os profissionais que conheço e que são bem sucedidos na profissão de Técnico em Segurança, enfrentaram situações adversas, mas que mesmo assim, se dedicaram com muito amor a profissão por período de 20/30 anos e que enxergaram um propósito no que fazem, nunca pensou em suas cabeças em fazer da segurança trampolim profissionais.
 
Pense nisso antes de reclamar, se você gosta da profissão vá em frente, que você vai conseguir, caso contrário, é melhor procurar outra coisa que lhe traga maior satisfação pessoal e profissional.
 
Parabenizo a classe prevencionista pelo dia de hoje e continuo lembrando que para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!
 
Marcio Santiago Vaitsman

26 de novembro de 2015

Parabéns aos prevencionistas brasileiros.


Como estarei fora da Cidade do Rio de Janeiro amanhã dia 27, estou reproduzindo algumas reflexões alusivas às comemorações do dia do Técnico e do Engenheiro em Segurança do Trabalho.
 
Texto 01 - Dia do Técnico / Engenheiro em Segurança do Trabalho.
 
O dia 27 de Novembro é o mais indicado para esta homenagem por tratar-se da data da promulgação da Lei nº 7410/85, que regulamentou as profissões de Engenheiros e dos Técnicos em Segurança do Trabalho, porém, não podemos confundir com o dia 27 de julho que é celebrado o Dia Nacional da Prevenção de Acidentes de Trabalho.
 
Dê qualquer forma, não posso deixar de parabenizar a todos os prevencionista que de alguma forma, estão colaborando para a redução dos infortúnios laborais no Brasil.
 
Marcio Santiago  Vaitsman
 
Texto 02 – Salve 27 de Novembro.
 
Vinte e sete de novembro sempre será lembrado porque é um momento especial para nós, um momento de comemoração para os que labutam na área da prevenção, especialmente para os Técnicos em Segurança do Trabalho.
 
Embora alguns possam até se ressentir das dificuldades, das incompreensões e das "puxadas de tapete", que já vimos tantas vezes, o que temos a comemorar é o que temos dentro de nós, espírito de solidariedade e de respeito pela vida do próximo.
 
Nossas convicções, nossa conscientização... Os frutos do nosso trabalho... As vitórias do dia a dia... Dos aliados que conquistamos a cada dia, pelo caminho da conscientização.
 
Temos muito mais a comemorar do que a lamentar, porque aqueles que são contra nós pecam pelo negativismo, pela pequenez dos objetivos e dos horizontes. Incapazes de fazer preocupam-se mais em tentar desfazer e impedir que outros façam...
 
Mas não serão bem sucedidos, porque nós somos os verdadeiros fortes nessa situação... Nós somos os bem sucedidos, nós somos - e sempre seremos - os vitoriosos, porque, a cada dia, temos mais colegas de trabalho, mais pessoas salvas dos acidentes e agora envolvidas com prevenção, mais pessoas verdadeiramente preocupadas com o que é importante.
 
Um abraço a cada colega, um abraço a cada um que - com justificado orgulho - carrega seu certificado de registro profissional e, mais que isso, o homenageia com trabalho sério e dedicado.
 
A todos as Técnicas em Segurança do Trabalho, mestras da dupla jornada... a todos os Técnicos em Segurança do Trabalho, muitas vezes beneficiários da mesma dupla jornada, um abraço do colega que, com muito orgulho se identifica.
 
Marcio Santiago Vaitsman
 
Texto 03 - Essa é a nossa Semana, 27 o nosso dia, é necessário que façamos uma séria de reflexão.
 
Caros colegas, esse movimento espetacular de confraternização entre técnicos e Engenheiros que hoje observamos na área prevencionista, é fruto, é resultado de um trabalho árduos de muitos colegas anônimos, de grupos de técnicos que nas décadas de 70 e 80, se mobilizaram para patrioticamente cooperar de forma firme apenas pôr um ideal visando à redução dos infortúnios laborais que andava na estratosfera em nosso pais.
 
Não posso deixar de registrar meus agradecimentos também aos que anonimamente serviram ao Brasil através da área de Saúde e Segurança do Trabalho.
 
Marcio Santiago Vaitsman
 
Texto 04 - O meu muito obrigado.
 
Senhores Técnicos em Segurança do Trabalho, dia 27 do corrente, é o nosso dia e assim sendo, devemos aproveitar para rever nossos conceitos, refletir sobre nossas atividades e responsabilidades para que possamos atingir a maturidade e fortalecimento da classe prevencionista no Brasil.
 
Muitos comentam não existir sindicato atuante, que não conseguimos criar nosso Conselho de Classe, que os salários são ridículos, etc., mas, triste mesmo é saber disso tudo, temos metas a serem atingidas e não ver sequer um pequeno movimento para que possamos atingi-las.
 
Só conseguiremos alcançar o sucesso profissional tão sonhado, quando traçarmos metas e estratégias para o quanto antes, possamos festejar a Criação do Conselho Federal dos Técnicos em Segurança do Trabalho, só assim teremos o crescimento da classe e o tão esperado reconhecimento do mercado de trabalho.
 
Mesmo com toda essa movimentação do dia 27 e demais comemorações, mais uma vez minha opinião de que o caminho em torno da UNIÂO da categoria é primordial.
 
Enquanto não consigamos unificar a categoria em torno de um projeto comum que contemple as diversidades da carreira, vamos continuar a perder força nas negociações salariais e melhores condições de trabalho certamente com prejuízo para toda a nossa categoria.
 
Marcio Santiago Vaitsman
 
Havendo UNIÂO da categoria, aí sim os atuais e futuros profissionais estarão verdadeiramente de parabéns.
 
Marcio Santiago Vaitsman
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado! 

25 de novembro de 2015

FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS - DDS.


Os pequenos e grandes acidentes geralmente acontecem da mesma maneira.
 
Os eventos que acabam em acidentes são os mesmos, porém os resultados são bastante diferentes.
 
Suponhamos, por exemplo, que um martelo esteja frouxo no cabo:
 
Um dia um colaborador tenta usá-lo, batendo em um objeto em cima da bancada.
 
A cabeça do martelo solta para longe, batendo em uma parede de concreto, caindo ao chão, não ferindo ninguém e não causando qualquer dano a propriedade.
 
Em outra ocasião, quando a cabeça do martelo sai do cabo, ela vai de encontro a uma pessoa que estava passando por perto, ferindo-a seriamente.
 
As circunstâncias foram inicialmente às mesmas em ambos os casos, mas os resultados foram diferentes.
 
E lembre-se que a verificação se as ferramentas e equipamentos estão em ordem é o primeiro passo, não apenas para uma operação segura, mas também, para uma operação eficiente.
 
Podemos afirmar que dez por cento dos acidentes que ocorrem dentro de uma empresa, está relacionado com ferramentas inadequadas e ou defeituosas, portanto a inspeção das mesmas antes do uso é fundamental.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

24 de novembro de 2015

Comunique-se para integrar - DDS.

Para as empresas de modo geral, a comunicação é a principal ferramenta para estabelecer parcerias e comprometimentos entre todas as pessoas, independente de seu nível dentro da organização, sempre é tempo para melhorarmos o sistema de comunicação, primeiro para manter o estímulo à motivação e ao comprometimento e segundo para consolidar o processo de melhoria contínua.
 
Quanto melhor for a comunicação, maior será a possibilidade de acerto e melhor será o acompanhamento dos resultados alcançados.
 
Para uma boa comunicação é necessário que se garanta os seguintes critérios:
 
Cultivar o respeito entre pares, líderes e liderados; Estabelecer ambiente de cordialidade receptividade permanentemente;
 
Saber ouvir o colega, o subordinado ou chefe é fundamental;
 
Ninguém é tão autossuficiente que não precise aprender nada, e ninguém é tão deficiente que não possa contribuir com nada;
 
Todas as pessoas têm valores que precisam ser preservados e o comportamento, caminho comum final, deve ser permanentemente estimulado ao crescimento, ao comprometimento e ao desenvolvimento;
 
Não há boa ideia que nasça pronta, as grandes ideias são aquelas que podem ser melhoradas continuamente;
 
Não há apenas mão de obra e sim mão, mente e espírito porque o homem é o começo, o meio e o fim de todo o processo produtivo, por isso, se não há comunicação, não há mudança alguma se o homem não quiser mudar.
 
Diante do exposto, para qualquer processo de desenvolvimento é necessário acima de tudo que se saiba onde se quer ir e como chegar lá, para isso, a comunicação e a principal ferramenta, o método mais eficaz, mais prático e mais produtivo do relacionamento interpessoal.
 
"Comunique-se mais com seu colega de trabalho, viva melhor, isso vale a pena!"
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

27 de novembro: Dia de lembrar o profissional prevencionista.

Os trabalhadores contam com dois aliados na linha de frente na luta pela promoção e execução da proteção ao trabalho. Tanto os engenheiros de Segurança do Trabalho quanto os técnicos de Segurança do Trabalho caminham juntos em busca dos mesmos objetivos, que são o de assegurar condições mais dignas de saúde e segurança aos trabalhadores.
 
Para fortalecer a dedicação e o empenho destes dois profissionais, o dia 27 de novembro foi adotado como o dia do técnico e do engenheiro de segurança. A data celebra o dia em que ambas as profissões foram regularizadas pelo Ministério do Trabalho por meio da Lei nº 7.410, de 27 de novembro de 1985.
 
No entanto, os dois já desempenhavam suas funções muito antes dessa data, uma vez que os prevencionistas, como são chamados os profissionais de SST, sempre se preocuparam com o bem-estar no ambiente de trabalho.
 
Além de atuarem na prevenção de acidentes de trabalho, o técnico em Segurança do Trabalho e o engenheiro de Segurança do Trabalho, único profissional com pós-graduação reconhecida por lei, também zelam pela integridade física e mental do trabalhador.
 
Desta forma, auxiliam o empregador, a fim de criar um ambiente laboral que se adeque às normas de SST, mais conhecidas como Normas Regulamentadoras, responsáveis por estabelecer a obrigatoriedade de serviços e programas relacionados à saúde e segurança no ambiente de trabalho.
 
 
Funções:
 
Entre as atividades desenvolvidas pelo técnico em Segurança do Trabalho estão o dever de informar tanto o empregador, por meio de parecer técnico, quanto os trabalhadores sobre os riscos, orientando os quanto às medidas para eliminá-los. Para isto, eles precisam analisar os processos de trabalho e identificar os fatores de riscos de acidentes e doenças do trabalho.
 
Também cabe ao técnico executar medidas de segurança e programas de prevenção com a participação dos trabalhadores, avaliar os resultados destas ações, promover a capacitação do trabalhador e orientar terceiros quanto à SST.
 
O engenheiro, por sua vez, estuda as condições de segurança dos locais de trabalho, das instalações e das máquinas e equipamentos, identificando seus pontos de risco e projetando dispositivos de segurança; planeja e desenvolve a implantação de técnicas relativas a gerenciamento e controle de riscos, vistoria, avalia e indica medidas de controle sobre o grau de exposição a agentes agressivos de riscos físicos, químicos e biológicos. Também analisa riscos, acidentes e falhas, investigando causas e propondo medidas preventivas e corretivas, entre outras competências.
 
Apesar de cumprirem e exercerem funções distintas, o engenheiro e o técnico de Segurança possuem atividades que se complementam no dia a dia da prevenção de acidentes e no bem-estar dos trabalhadores. Para lembrar a importância destes dois profissionais, serão realizadas diversas atividades pelo país em alusão a data.
 
Revista Proteção.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

23 de novembro de 2015

Aderir a um programa de demissão voluntária é vantajoso?

O programa de demissão voluntária é um incentivo dado pela empresa para que o colaborador rescinda o contrato de trabalho por iniciativa própria.
 
Para tanto, a empresa oferece àqueles que aderirem ao plano, dentro do prazo estipulado, além das verbas devidas em virtude do pedido de demissão, algumas vantagens adicionais.
 
Essas vantagens são previamente estipuladas pelo plano e podem ser de diversos tipos, como, por exemplo, uma indenização ou ainda a manutenção de alguns benefícios por um tempo determinado.
 
A adesão ao plano se mostra vantajosa principalmente para o colaborador que já pensava em pedir demissão ou que deseja novos desafios. Aos demais cabe ponderar os fatores envolvidos.
 
Em uma conjuntura de crise, com prováveis dispensas, embora a legislação preveja mais vantagens econômicas ao trabalhador que é dispensado do que àquele que pede demissão, no caso concreto, um plano de demissão voluntária que contemple, por exemplo, a manutenção do plano de saúde por um determinado tempo pode ser mais vantajoso ao colaborador.
 
Exame.com
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!
 

22 de novembro de 2015

21 de novembro de 2015

19 de novembro de 2015

FIEP - pede “suspensão imediata” da norma NR-12 de segurança no trabalho”.

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) quer a “suspensão imediata” da Norma Regulamentadora 12 (nr-12), do Ministério do Trabalho, que define regras para a segurança do operador de máquinas e equipamentos. Na avaliação do presidente da Fiep, Edson Campagnolo, essa é uma das medidas que podem “começar a melhorar o ambiente de negócios no país”.
 
O pedido foi feito na manhã desta quarta-feira (18) aos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro. Em reunião, Campagnolo e os presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, e da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Glauco Côrte, apresentaram sugestões “que consideram possíveis de serem adotadas pelo executivo como forma de enfrentar a crise atravessada pelo país”, segundo comunicado enviado pela Fiep.
 
A nr-12 não pode causar uma paralisia na produção da indústria, o que vai dificultar ainda mais a retomada do crescimento do país. Essa norma precisa ser suspensa e reavaliada com base em critérios técnicos, que mantenham as condições de segurança dos trabalhadores, mas que não coloquem boa parte do parque fabril brasileiro na ilegalidade”, disse Campagnolo, segundo a nota.
 
Para o presidente da Fiep, a nr-12 é “extremamente rigorosa” e gera custos extras para as empresas, que segundo ele têm de adequar até mesmo máquinas importadas dos países mais desenvolvidos do mundo.
 
Revisão:
 
A nr-12 foi criada em 1978 e revisada no fim de 2010. Na revisão, passou a estabelecer regras mais rígidas para a prevenção de acidentes, válidas para máquinas novas e também para as que já estavam em operação. A revisão desagradou a boa parte do setor industrial por causa dos custos envolvidos na adaptação, estimados em R$ 100 bilhões pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
 
As tentativas do setor produtivo de suavizar ou suspender a nr-12 são criticadas pelo Ministério Público do Trabalho. Em julho, a procuradora do trabalho e coordenadora do Fórum de Proteção ao Meio Ambiente do Trabalho do Paraná (FPMAT-PR), Ana Lucia Barranco, afirmou em nota pública que o Brasil é o quarto país com mais acidentes e adoecimentos em consequência do trabalho. “É um absurdo que, nesse contexto, haja quem tente afrouxar os mecanismos de garantia de segurança”, disse na ocasião.
 
Justiça regulamenta NR-12 em SC.
 
“A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e o Sindicato da Indústria da Madeira de Caçador (Sindimadeira) obtiveram na Justiça a primeira decisão judicial coletiva que libera máquinas antigas de seguir a Norma Regulamentadora 12 (que trata de práticas de segurança no manuseio de máquinas e equipamentos por parte dos trabalhadores dentro das empresas).
 
Editada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a legislação regulamenta questões de segurança. O despacho do juiz Etelvino Baron, da Vara do Trabalho de Caçador, libera da aplicação da nr-12 equipamentos produzidos antes de 2010, quando entrou em vigor a revisão da norma, que agregou 300 novas exigências às 40 que já estavam vigentes. A decisão beneficia as empresas associadas ao Sindimadeira.
 
Na sentença, o juiz afirma “reconhecer o direito líquido e certo de não sofrer autuação, decorrente de fiscalização indireta, no tocante às máquinas adquiridas até a edição da Portaria 197, de 24.12.2010, que estavam em conformidade com os termos da nr 12 vigente até aquela data”.
 
 “Nenhum empresário é contra a segurança do trabalhador, que precisa sempre ter a sua integridade física e a sua saúde preservadas. Mas a atual nr 12 possui exageros que podem levar à inviabilização de plantas industriais inteiras, retirando de operação equipamento sem qualquer histórico de acidentes”, disse o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, para quem os excessos contidos na normativa são mais um entrave à competitividade da indústria brasileira.
 
Ele lembra que até máquinas e equipamentos importados, que atendem às rigorosas normas europeias, têm enfrentado restrições com a nr 12. “As exigências introduzidas por essa norma chegam ao cúmulo de aplicarem-se, inclusive, às máquinas e equipamentos exportados para clientes de países em que as normas não contemplam as exigências das normas brasileiras”, ressalta Côrte.
 
Obstáculos identificados pela FIESC para aplicação da nr-12.
 
Alta complexidade: as obrigações acessórias passaram de 40 para 340.
 
Desconformidade com o padrão mundial: máquinas fabricadas na União Europeia, por exemplo, podem não estar adequadas à nr 12.
 
Retroatividade das obrigações: a norma se aplica inclusive às máquinas compradas antes da reformulação em 2010.
 
Custos: são elevados para adequação das máquinas e os prazos insuficientes para realizar as alterações.
 
Certificação: falta de órgão certificador para atestar a validade para máquinas e equipamentos. Cabe ao setor produtivo contratar consultorias especializadas.
 
Gazeta do Povo e Diário Catarinense.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!