Ataques oportunistas aumentam quando usuário acessa menos a internet. – Utilidade pública.


Foliões que vão passar o Carnaval bem longe do computador podem cair em armadilha ao acessar a conta de e-mail quando retornarem do feriadão.
 
O longo período de ausência da Internet atrai pessoas mal intencionadas e quadrilhas especializadas em roubar dados financeiros.
 
A proximidade com o prazo de início da declaração do Imposto de Renda também é outro caminho usado pelos golpistas. Por isso, vale lembrar que a Receita Federal não envia e-mails para esclarecer dúvidas e também não fornece link para o contribuinte baixar o formulário e os bancos não enviam mensagens sobre recadastramento ou assuntos associados a correntistas.
 
Evite Links desconhecidos:
 
Com a caixa de entrada muito cheia, é difícil estar atento às pegadinhas.
 
Mas algumas dicas podem evitar as arapucas:
 
Jamais clique em links desconhecidos.
 
Em geral, levam o usuário para outro site que instala códigos maliciosos para roubar informações pessoais.
 
Erro de português é muito comum nesse tipo de armadilha. “Ao passar o mouse em cima do link, a barra de status (rodapé do navegador) vai revelar, na maioria dos casos, um endereço com terminação Exe.”, o que significa que algo não identificado poderá ser instalado no computador.
 
Programas gratuitos protegem o computador de vírus e ataques.
 
Procure sites especializados e confiáveis para baixar gratuitamente programas para aumentar a segurança do micro.
 
Fraudadores se aproveitam da curiosidade dos internautas para chamar a atenção e induzir ao erro.
 
Roubo de dados e senhas são  golpes comuns nessa época de Momo.
 
Cuidado!
 
 
Prevencionista, se você gostou, seja um seguidor e compartilhe com seus amigos e um dia verá que essa sua atitude fez parte da sua história porque para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado”!

Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS