Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

3 de março de 2016

“O que faço se todo dia tenho medo de ser demitido?”

 
Trabalho há cinco anos em uma empresa de grande porte e, com a crise, tenho sentido que o clima está cada vez pior. Embora cortes de pessoal e de investimentos já tenham sido feitos, os rumores sobre novas demissões continuam. Todos passam o dia especulando sobre isso pelos corredores, enquanto os chefes fingem que nada está acontecendo. Por mais que eu tente, já não consigo disfarçar meu nervosismo e minha ansiedade. Assim como muitos colegas, não tenho mais ânimo para fazer nada, pois fico achando que a qualquer momento vou ser demitido.
 
O que devo fazer? (Analista, 29 anos).
 
Resposta:
 
Não se deixe abater. Tente manter uma atitude ativa e produtiva. A angústia que você vive é a que quase todos os brasileiros estão vivendo. O desemprego deixou de ser um problema específico de setores mais vulneráveis.
 
A atual falta de trabalho e renda está longe de ser apenas um problema momentâneo e conjuntural, resultante da implementação de modelos econômicos inadequados. Tampouco é característico de um determinado Estado ou região. O desemprego passou a ser o grande assunto e as reestruturações não poupam ninguém, nem mesmo os executivos de topo.
 
Com o medo do desemprego, vem a redução das despesas e das compras a prazo – ou seja, o comprometimento da sua renda futura, que é a grande força motora do mercado. A consequência imediata é a criação de um círculo vicioso: menos consumo, mais desemprego. Isso passou a exigir das empresas muito mais esforço para sobreviver.
 
As companhias são obrigadas a se reestruturar, o que sempre gera a extinção de cargos e a redução de quadro. Em um contexto de racionalização de custos, o emprego constitui a despesa mais fácil de ser controlada e que permite um retorno mais rápido. Os dirigentes têm a tendência de ver “na eliminação do excesso de empregados” o método mais rápido de reduzir custos.
 
Para os empregados, no entanto, esse processo é visto como coercitivo e traumatizante. Uma reestruturação, por mais responsável que seja, irá frustrar expectativas, gerar inseguranças, desconfianças e insatisfação generalizada, podendo contribuir para a queda no clima organizacional e na produtividade.
 
Esse processo deixa sempre uma marca profunda na história individual e coletiva. Nem mesmo a possibilidade de recebimento de verbas rescisórias importantes afasta o temor de ficar desempregado. Para tentar diminuir essas resistências e a consequente perda de produtividade, os profissionais de recursos humanos precisam estabelecer uma estratégia eficaz. O esforço de comunicação é fundamental para mostrar o caminho escolhido a todos os envolvidos.
 
O impacto do programa de demissões, a possível perda de credibilidade junto aos clientes e a degradação da imagem da empresa devem ser avaliados no início do processo. No entanto, por falta de tempo e, sobretudo, de motivação, a tentação ainda é grande de impor uma mudança ao invés de explicá-la.
 
Poucas empresas optam por preparar o terreno antes de executar a reestruturação. A comunicação aos empregados deve ser a prioridade. O objetivo é tornar compreensível para aqueles que são os primeiros atingidos o contexto em que se encontra a empresa, fazê-los conhecer as diferentes soluções possíveis, e justificar o que vai ser feito.
 
Comunicar significa tornar comum, ou seja, informar a todos os empregados sobre planos, direitos, valores, ajudas das quais podem se beneficiar, e sobre o que vai acontecer com seu emprego. É preciso entender o medo dos empregados, manter um diálogo diário e próximo, dar o máximo de informações possível, ser claro e conciso.
 
Uma atitude aberta com os empregados aumenta a compreensão e a aceitação, enquanto um projeto imposto, sem preparação, corre o risco de catalisar todas as frustrações sentidas pelos empregados.
 
É importante criar um programa de apoio para os empregados desligados, dar continuidade a certos benefícios como plano de saúde e, sobretudo, apoiar a busca de uma recolocação no mercado ou uma nova fonte de renda. Os líderes sempre ganharão ao procurar conhecer o sentimento real dos seus interlocutores para ajudá-los ao invés de apostar na resignação dos empregados.
 
Para os liderados que, como você, continuam na empresa, o melhor é tentar controlar o medo e ser mais ativo e produtivo, para assim contribuir com a sobrevivência da empresa.
 
Valor Econômico.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As informações disponibilizadas nesse Blog são de caráter genérico e sua utilização é de responsabilidade exclusiva de cada leitor.