Somos membro de equipe multidisciplinar de segurança do trabalho com vasta experiência em projetos de gestão na área da Prevenção de Acidentes, possuímos portfólio completo visando assessorar sua empresa na tomada de decisões relacionadas a SMS.
Desenvolvemos projeto de Segurança e Prevenção, acompanhamos o andamento dos trabalhos e realizamos treinamentos.
Contato:
marciovaitsman@yahoo.com.br - marciovaitsman@gmail.com - http://twitter.com/SMSeg
PEDOFILIA, DENUNCIE. DISQUE 100

14 de outubro de 2016

POR QUE TEMOS O DIREITO EM TER O NOSSO CONSELHO PRÓPRIO?

A relatora Deputada Flávia Morais (PDT/GO), do PROJETO DE LEI No 5.179, DE 2016, que cria o Conselho dos Técnicos Industriais e Agrícola em tramitação na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados, após um acordo, apresentou no dia 05/10/2016 o seu Parecer do Relator de nº 1 CTASP, pela aprovação deste Projeto e rejeitou todas as Emendas de n.ºs 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11 todas de 2016, excluindo principalmente àquela que incluía a categoria Técnico de Segurança do Trabalho, nesta propositura.

A parlamentar deu seu voto no relatório pela rejeição das Emendas e pelo envio de INDICAÇÃO ao poder Executivo (Ministro do Trabalho) sugerindo a ele, o encaminhamento ao Congresso Nacional de proposição que atenda ao objetivo mencionado, criando o Conselho Federal e os Conselhos Regionais dos Técnicos de Segurança do Trabalho.

A íntegra da indicação Nº..., DE 2016 da Sra. Deputada Flávia Morais.

Sugere o envio de projeto de lei visando a criação de conselho de fiscalização profissional específico para a categoria dos Técnicos de Segurança do Trabalho.

Excelentíssimo Senhor Ministro do Trabalho:

A categoria dos Técnicos de Segurança do Trabalho encontra-se regida pela Lei nº 7.410, de 27 de novembro de 1985, estando regulamentada no Decreto nº 92.530, de 9 de abril de 1986.

Trata-se de categoria que exerce atividade de extrema relevância, pois diretamente relacionada com a saúde e a segurança do trabalhador, com foco para a redução de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Sendo assim, é primordial a criação de órgão fiscalizador e normatizador específico da profissão, que a organize e controle suas atividades e que exija constante atualização e aperfeiçoamento dos profissionais, garantindo que os serviços sejam prestados à coletividade por pessoas devidamente habilitadas e capacitadas.

Tendo em vista a competência privativa do Poder Executivo para propor lei sobre a matéria, como dispõe o art. 61, § 1º, II, “e”, da Constituição Federal, sugiro ao ilustre Ministro o encaminhamento ao Congresso Nacional de proposição que atenda ao objetivo mencionado, criando o Conselho Federal e os Conselhos Regionais dos Técnicos de Segurança do Trabalho.

Sala das Sessões, 05 de outubro de 2016.

Por que temos o direito em ter o nosso Conselho Próprio?

Deputada FLÁVIA MORAIS - PDT/GO.

Lembramos que já existe o processo do Anteprojeto de Lei de iniciativa do governo (MTE) de nº 46010.001767/2003-99 e a Exposição de Motivos é de nº 16 de 08.12.2004, que já foi enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego para a Casa Civil da Presidência da República, ao Ministério do Planejamento e para a Advocacia Geral da República.

Atualmente esse Anteprojeto de iniciativa do governo (Poder Executivo), por sugestão da Federação Nacional dos Técnicos de Segurança do Trabalho - FENATEST se encontra no Gabinete do Ministro do Trabalho, portanto, está proposição atende o objetivo citado pela Deputada Flávia Morais em sua INDICAÇÃO.

Considerando, que a Profissão de Técnico de Segurança do Trabalho foi regulamentada pela Lei Nº 7.410, de 27 de novembro de 1985 e regulamentada pelo Decreto Nº 92.530 de 09 de abril de 1986, possuindo o seu Estatuto Profissional através da Portaria Ministerial MTb Nº 3275 de 21 de setembro de 1989, Norma Regulamentadora NR-27 da Portaria Nº 3214 do MTE em seu item 27.1, onde diz que o exercício da profissão depende de prévio registro no Ministério do Trabalho, até que seja instalado o respectivo Conselho Profissional e contando também com um riquíssimo conteúdo em seu Classificação Brasileira de Ocupações - CBO de Nº 3516-05, publicada pelo Ministério do Trabalho e Emprego em sua última revisão em 2002.

Temos este direito e necessitamos da autorização legislativa e da sanção presidencial para o seu funcionamento, pois a profissão de Técnico de Segurança do Trabalho exige conhecimentos teóricos e técnicos no que se refere a sua formação profissional, pois além da formação no segundo grau para o ingresso, o curso de formação para habilitar esse profissional tem a sua regulamentação legal, com as respectivas cargas horária e estágio supervisionado, tratando-se de uma formação pós-médio, com conhecimentos adquiridos práticos e teóricos, aulas práticas de laboratório, conhecimentos técnicos, humanísticos e científicos no campo da física, química e biologia, administração, desenho técnico, administração, etc, voltados para a área de segurança e saúde no trabalho. Esse curso é reconhecido pelo Ministério da Educação e é ministrado em praticamente todos os estados brasileiros.

Exercem a profissão como categoria profissional diferenciada, trazendo benefícios para a sociedade, família, trabalhadores e para o Brasil, pois se trata de uma função que atende o bem estar social no tocante a segurança e saúde de todos que trabalham, ao patrimônio e à segurança da coletividade e dos cidadãos individualmente, pois a matéria é segurança e saúde no trabalho e meio ambiente, onde esses profissionais são formadores de opiniões e colaboram com todos que trabalham nesse país no aspecto educação, pois ministram cursos, treinamentos e orientações na área da segurança, saúde e higiene ocupacional, trazendo sempre a informação, vindo mostrar técnicas e métodos preventivos para o bem da saúde e da integridade física de todos os trabalhadores, bem como colabora com as ações voltadas para o meio ambiente e preservação da natureza, tendo inclusive em sua formação esta matéria e como uma de suas atribuições na Portaria Ministerial MTb Nº 3275 de 21 de setembro de 1989.

Lembramos também, não ser exclusiva desse profissional dentro da área de segurança e saúde no trabalho, pois envolve matéria multidisciplinar, onde outros profissionais desenvolvem os seus trabalhos específicos e outras atividades em benefício da segurança e saúde dos trabalhadores sendo, portanto, uma profissão que não propõe a reserva de mercado para apenas um só segmento em detrimento de outras profissões com formação idêntica ou equivalente.

Devido a relevante e tão importante matéria, ou seja, segurança e saúde de todos que trabalham e a preservação do meio ambiente, necessita de fiscalização do exercício profissional e de seu respectivo e oficial código de ética profissional, por uma questão de ordem ética no exercício profissional, disciplina, regulamentações e qualidade desses serviços prestados por esses profissionais junto à sociedade.

Os Técnicos de Segurança do Trabalho representam atualmente 80% dos especialistas da área de segurança e saúde no trabalho e considerando como já expomos, que essa regulamentação profissional desta categoria profissional já é uma realidade há anos, sendo assunto de interesse social e nacional, pois foi homologada pelo Congresso Nacional e regulamentada pelo Presidente da República desde 1986, destacando-se o trabalho e a luta histórica que foi empenhada por ela e pelas suas representações sindicais até aqui, empenho este que foi e continua sendo um orgulho para toda a categoria profissional no Brasil, havendo a consideração da sociedade e das entidades representativas da sociedade organizada, de instituições nacionais e do próprio Ministério do Trabalho e Emprego que elaborou e encaminhou projeto de lei de iniciativa do governo, sugerido pela Federação Nacional dos Técnicos de Segurança do Trabalho - FENATEST à Casa Civil da Presidência da República, para análise, para que posteriormente se encaminhe para as Comissões Permanentes na Câmara e Senado Federal.

Concluindo, pela dignidade e pelo que foi exposto praticamente e legalmente sobre estes profissionais e o que eles representam para a sociedade, preservando vidas humanas, tendo grande importância para a nação brasileira, pois a prevenção de acidentes no trabalho e o zelo pelas questões ambientais são de fundamental importância para a sobrevivência e para o bem estar em nosso país, são merecedores legalmente e pelo que foi exposto, de ter regulamentado o seu Conselho Federal dos Técnicos de Segurança do Trabalho - CONFETEST e seus respectivos Conselhos Regionais.

José Augusto da Silva Filho

Diretor de Relações Institucionais da ABRATEST, fundador e ex-presidente da FENATEST e ex-vice-presidente do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar - DIAP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As informações disponibilizadas nesse Blog são de caráter genérico e sua utilização é de responsabilidade exclusiva de cada leitor.