Estamos obesos de informação e anoréxicos de insights – Pura Reflexão.





Estes dias eu estava conversando com uma jovem senhora de 96 anos - não sei você mas eu amo ouvir pessoas mais velhas, em nossa conversa eu fiz perguntas sobre a vida, sobre valores, sobre decisões e principalmente sobre a fé.

Essa jovem senhora me falava da vida vivida e não da vida vista pela janela (redes sociais). Sair dessa conversa com algumas certezas e muitas dúvidas - em que ela não respondeu, seu olhar de compaixão dizia pra mim: filho, isso você precisa viver.

A vida raiz é a vida experimentada, com experiência real.

Nada substitui as cicatrizes. Se alguém vem me ensinar a andar de moto, a primeira pergunta que faço é: quantas vezes você caiu?

Mostra-me as cicatrizes. Deixam-me ver as rugas, as marcas do tempo? Eu busco a experiência de quem viveu na prática aquilo que ensina.

Ler, assistir ou ouvir, é legal, mas não basta.

Quem estuda o assunto, diz que ao longo da vida, apenas 25% do conhecimento que adquirimos é explícito. 75% são implícitos. Tem de botar a mão na massa, tomar o tombo, ganhar a cicatriz…

Um antigo livro de Joelmir Beting tinha um título que sempre me fascinou: na prática, a teoria é outra.

Por isso, sempre faço uma recomendação:

Respeite quem tem experiência. Mesmo que a pessoa não fale 4 idiomas, não tenha diploma no exterior, não saiba mexer no tablet, não tenha canal no Youtube ou não faça ideia do que seja Dragon Ball, ela caiu com a moto.

Aquela cicatriz vale infinitamente mais que as celeumas das teorias digitais.

Rodrigo Silva
Diretor de Operações na Excelenzia Group. 






Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS