Excesso de “Vai que dá”.

Se você correr no tio Google e fizer uma busca rápida relacionada a vídeos sobre acidente do trabalho vai ficar pensando assim:
 
Como é que o ser humano chegou ao topo da cadeia alimentar?
 
Nestes vídeos vamos visualizar várias ações absurdas e não é preciso ser nenhum especialista para concluir que o resultado mais provável sempre seria o de um acidente.
 
Em um dos vídeos o trabalhador está demolindo uma laje, porém ele está sobre a laje! Em outro, o trabalhador carrega uma carga superior ao limite do equipamento para transporte e tudo vem abaixo. E em outros vejo pessoas que acreditam ter asas.
 
Mas porque isto ocorre?
 
Podemos fazer uma lista de motivos, mas um deles é a falta de planejamento.
 
Quando fazemos uma atividade sem planejamento vamos depender de muita sorte para termos um resultado satisfatório (e eu não acredito em sorte). Em geral, o “profissional” não sabe a carga, não sabe a resistência, não sabe a tração, não sabe tensão, ou seja, a única coisa que ele sabe é que o colega do lado está lhe dando o estímulo dizendo: “vai que dá”.
 
É preciso um pouco menos deste otimismo inconsequente e entender que uma atividade sem planejamento pode ser a causa de um braço mutilado, do corte em uma perna ou mesmo da morte de um trabalhador.
 
Não podemos trabalhar considerando apenas o dimensionamento do Vai Que Dá!
 
 
J.O Segurito.
 
 
Para uma categoria profissional a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS