Empresas e funcionários aprovam o novo registro de ponto eletrônico.

Numerosas empresas já adotaram o novo Registrador Eletrônico de Ponto (REP), criado pela portaria 1.510 do Ministério do Trabalho e que, após sucessivos adiamentos, entrará em vigor em 1º setembro.


Como se sabe, torna-se obrigatória a impressão gráfica pelos relógios de ponto de todo o movimento de entrada e saída dos trabalhadores, além armazenar estes dados em memória testada e certificada, para não apagar ou alterar os registros. 


Pesquisa realizada com diversas empresas do País, que já implantaram a inovação mostra que 74% delas e 78% dos funcionários aprovaram a novidade.


O novo relógio de ponto melhorou a relação trabalhista e está oferecendo sensação de mais segurança a empregados e empregadores.


A quantidade de funcionários das empresas entrevistadas é bem dividida – entre 5 e 2.800 funcionários, sendo considerada mediana a que possui 70. Metade das empresas está utilizando apenas um REP e outra parcela representativa (31%) tem entre 2 e 4 equipamentos.


"A grande maioria dos entrevistados está trabalhando com o registrador há mais de três meses – tempo suficiente para fazer uma boa avaliação", diz o diretor do Instituto AGP, Antonio Perina.

Apenas 3% dos trabalhadores e 8% das empresas estão insatisfeitos com a novidade.


Outra revelação da pesquisa é que 60% dos funcionários sentem-se mais protegidos com o novo registro de ponto e apenas 6% não acreditam que haja mais proteção com a ferramenta; 70% das empresas acreditam que estão protegidas e 8% não perceberam a melhora. O relacionamento e confiança entre ambos melhorou 59%, e 14% não acreditam nessa melhora.


Criado com o propósito de inibir fraudes, o novo relógio tem sido criticado por alguns empresários, sob alegação de ser pouco eficiente e aumentar custos.


A pesquisa mostra que empresas e trabalhadores aprovam a nova tecnologia, que já reduziu em 28%, no universo dos entrevistados, o volume de questionamentos sobre recebimento de horas extras.


Empresas e Negócios.



Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS