Profissão: motorista: Adiar a fiscalização da Lei 12.619 resolve ?


Como é cediço, a Lei 12.619/12, que regulamenta a profissão de motorista, alterou a Consolidação das Leis do Trabalho e o Código de Trânsito Brasileiro, bem como gerou dúvidas que deixaram trabalhadores inseguros quanto a sua aplicação.
 
Houve pressão, sobretudo dos autônomos, para que, novamente, o Governo adiasse a fiscalização. Em 12/09/12, o Contran publicou a Resolução 417/12, que alterou alguns dispositivos da Resolução 405/12.
 
Um deles recomenda que a fiscalização ocorra nas vias onde possa ser cumprido o tempo de direção e descanso, no que se refere à existência dos pontos de parada que atendam as exigências legais (parágrafo 7º).
 
Frisa, ainda, que os Ministérios dos Transportes e Emprego publicarão em até 180 dias a lista das rodovias federais (parágrafo 8º). Este prazo pode ser reduzido, pois a Resolução afirma que o prazo será “em até...”.
 
Pergunto: Por que todos os interessados, que aprovaram a redação da Lei, agora reagem contra a sua aplicabilidade? Não sabiam da inexistência de pontos de parada?
 
Destaco que estamos apenas falando dos efeitos da Lei quanto à fiscalização. Assim, o profissional fica mais uma vez a mercê de uma legislação errônea, e que por nós foi veementemente guerreada.A meu ver, o empresário transportador fica prejudicado. Já o embarcador, o motorista profissional e o autônomo se beneficiam com a situação, por tais motivos:
 
O embarcador, haja vista inexistir qualquer penalidade na Lei, continuará a exigir o transporte como antes, arcando a transportadora com o iminente risco administrativo e judicial; o motorista, trabalhando de forma contrária à Lei, está apto a ajuizar uma ação trabalhista a qualquer hora, agora baseado numa lei que antes não havia; o autônomo, que mostra sua união desde a criação da Lei, foi o mais beneficiado, pois a legislação o trata de forma diferenciada, em detrimento do motorista profissional, bem como do empresário.
 
As regras são diversas. Como pode uma Lei tratar uma mesma situação de forma desigual? Outrossim, vejam o seguro. Hoje, a seguradora nega indenização por motivos fúteis. Agora, caso não tenhamos seguido uma lei em vigência, ela terá uma justificativa apta a negar o pagamento da indenização, como por exemplo, a inobservância das paradas obrigatórias.
 
Estes são alguns aspectos de inconformismo que precisamos mudar.
 
Espero que os representantes do setor, dentro dos 180 dias, acompanhe de forma direta o assunto. O transportador é um dos maiores geradores de economia e riqueza, e não pode ser tratado de forma preterida. Levamos produtos aos mais distantes locais do Brasil, e nunca obtivemos o devido respeito.
 
Precisamos de uma decisão que anule os efeitos da Lei 12.619/12, sob pena de um caos no transporte. Não basta somente concordarmos com a suspensão da vigência, precisamos também resguardar nossas pretensões. Assim, havendo a revogação da Lei e seus efeitos, a mesma pode voltar a ser discutida com coerência, para que possa ser readequada à nossa realidade.
 
Revista Consultor Jurídico.

 "Prevencionista, se você gostou, compartilhe esse blog com seus amigos e um dia verá que essa atitude faz parte da sua história”.
 

Comentários

Postagens mais visitadas

O USO DO LEITE COMO DESINTOXICANTE NAS INDÚSTRIAS – DDS.

Fábula da xícara cheia – DDS de reflexão.

QUANTO CUSTA UM ACIDENTE? – DDS